Nota de pesar: Jornalismo mato-grossense perde Jorge Estevão


Jorjão, em cobertura jornalística da Copa do Pantanal.
Foto: Denise Niederauer

A diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) está de luto pelo falecimento, nesta terça-feira (09/09/14), de um dos mais importantes profissionais da atualidade e um dos seus quadros recentes da Comissão Estadual de Ética: Jorge Estevão. Ele faleceu por complicações decorrentes do fígado e rins. A diretoria quer com esta nota singela abraçar e confortar amigos, colegas da mídia e familiares.

Jorge, Jorjão, manauara. Jorge Estevão sempre foi crítico da profissão e exigente no que fazia. Aprendeu a fazer jornalismo da mesma forma com que fez amigos. Na conversa, sempre posições firmes das suas convicções, que defendia com argumentos. Jorjão era sisudo, provavelmente a característica mais marcante dele que, ao contrário de afastar, aproximava as pessoas que se riam com a sua “cara amarrada”. No fim, as conversas sempre terminavam em boa gargalhada.

Torcedor do Flamengo, ele aproveitava o desempenho do time para tirar sarro dos times adversários e fazer provocações aos amigos, quando apresentava seu lado mais bem humorado. Mas, Jorge não estará no jogo desta quarta-feira na Arena Pantanal. Como também não estará nesta terça-feira no Choppão, local onde nutria amizade de décadas com o proprietário e garçons - para quem tinha apelidos e momentos de piadas e risadas – e onde encontrava os amigos (ou os amigos o encontravam).

Jornalista que aprendeu o ofício no chamado chão industrial da imprensa, Jorge Estevão também foi militante da causa da democracia e da organização da categoria, tendo feito trabalho sindical no Amazonas e em Mato Grosso. Sua militância o fez participar de grêmio estudantil, ser filiado a partido político. E a conviver na juventude com lideranças políticas amazonenses relevantes, como a senadora Vanessa Grazziotin e o atual prefeito de Manaus, ex-senador e diplomata Arthur Virgílio, de quem foi assessor em um dos seus primeiros mandatos na cidade.

A atuação na política mato-grossense foi também bastante ativa, ora na assessoria de imprensa de determinados parlamentares, ora escrevendo para esse caderno de algum veículo.

Mas o que Jorge gostava mesmo era da vida em Cuiabá, onde frequentou os últimos 20 anos como repórter e editor de A Gazeta, Folha do Estado e Diário de Cuiabá: suas mazelas, contrastes sociais, comportamento dos cidadãos e autoridades e a insegurança pública, o assunto que mais entendia e escrevia. Trabalhou ainda em diversos veículos de Cuiabá, sendo precursor de grande parte deles. Recentemente Jorge atuava como editor do HiperNotícias e correspondente do portal UOL.

Jornalista dos bons, militante, Jorge Estevão não foi mestre tradicional de academia, mas formou e ensinou gerações de jornalistas que hoje choram a sua perda e que vão lhe dar o último adeus, com saudades e gratidão.

O velório está previsto para as 16h desta terça-feira (09/09), na Capela Jardins (Sala Hortência), em Cuiabá. O sepultamento será nesta quarta-feira (10), às 8 horas, no cemitério Parque Bom Jesus de Cuiabá.

Com sentimentos aos amigos, profissionais de imprensa e familiares...

Diretoria Colegiada do Sindjor/MT
Cuiabá, 9 de setembro de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas