DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

10 de dez de 2013

Viaduto próximo a UFMT vai se chamar Clóvis Roberto



Foi publicado no Diário Oficial do Estado que circula nesta terça-feira (10) decreto do governador Silval Barbosa (PMDB) que dá o nome do jornalista e radialista Clóvis Roberto ao viaduto que está sendo construído nas proximidades da Universidade Federal de Mato Grosso.

Segundo o texto, o viaduto será denominado “Jornalista e Radialista Clóvis Roberto Balsalobre de Queiroz”. Nesta quarta-feira (11), a partir das 19h30, o governo vai entregar a obra parcialmente, uma vez que se trata de um viaduto rodoferroviário.

O viaduto integra um dos eixos do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), mas que não deve ter os trilhos instalados nesse momento, já que o trecho entre o Aeroporto-CPA passou a ser prioritário.

Com a liberação de vias na Fernando Corrêa, o trânsito na região deve fluir e desafogar o tráfego nas áreas próximas ao local, que ficou interditado por mais de 1 ano.

Obras – A obra compreende os entroncamentos das avenidas Brasília, Tancredo Neves e a via de acesso ao campus da UFMT e tem 428 metros. Orçada em mais de R$ 1,4 bilhão, a obra integra o pacote de implantação do VLT na Capital.

Clóvis Roberto que morreu aos 63 anos vítima de câncer, em novembro de 2010, começou na área da comunicação aos 12 anos. Paralelamente aos estudos, em Araçatuba -nasceu ali perto, em Mirandópolis -, começou a trabalhar numa companhia de cinema. Atendia o telefone e passava as informações (sinopses inclusive) sobre os filmes em cartaz. Depois, aos 14 anos, graças a um amigo que dirigia um jornal chamado A Comarca começou a fazer revisão e redigir para o último caderno.

Com 17 anos migrou definitivamente para o rádio, começando em Três Lagoas (MS), indo depois para Andradina (SP). Graças ao emprego numa rede de emissoras, passou a rodar por outras cidades do interior paulista. Veio em 1971 para trabalhar em Rondonópolis (região Sul de Mato Grosso).

Iria passar apenas três meses lá, a princípio, e acabou ficando 19 anos. Então surgiu o convite para trabalhar no Grupo Gazeta. Clóvis virou a "cara" do Cadeia Neles, programa que apresentou de o dia 1º de abril de 1996 até 2010.

Fonte: Gazeta Digital

Nenhum comentário: