Mais uma rodada 'dura' e jornalistas insistem em cobrar avanços


Segunda rodada de negociação com o patronato das comunicações, nessa segunda fase da Campanha Salarial 2012, e poucos avanços assegurados, até agora, para os jornalistas de Mato Grosso.

Está acontecendo o que já era previsto: uma negociação muito difícil.

Os jornalistas defendem o piso nacional de R$ 3.270 e um reajuste de 118%. Valor absurdo conforme representantes dos empresários que estiveram presentes hoje de manhã na sede do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) e levaram como contraproposta um reajuste de apenas 4,88%, relativo ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), o que elevaria o piso para R$ 1.573,20, valor também considerado absurdamente baixo pela categoria.

O presidente do Sindjor-MT, Teo Meneses, explica que esse valor de piso nacional, aprovado pelos jornalistas de Mato Grosso, em assembleia geral convocada pelo Sindjor-MT, é proposto pelo deputado federal André Moura (PSC-SE), com apoio da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), com objetivo de melhorar e equalizar, em nível de Brasil, os salários de uma categoria que está super desvalorizada, não somente aqui no Estado, embora realize trabalhos de relevância para o país, como é público e notório. "Não é um valor absurdo, é um valor que vem para tentar resolver nossas perdas históricas", defende o presidente da entidade.

O Sindjor-MT é o primeiro a encampar o piso nacional em campanha salarial.

Apesar da relutância em fechar as cláusulas econômicas e em garantir melhorias na rotina do trabalhador da imprensa, o empresariado já aceitou fechar questão com o Sindjor-MT em pelo menos 35 cláusulas sociais. O Acordo Coletivo propõe 44.

O empresariado aceita manter, por exemplo, a cláusula que veta o assédio moral, o que é muito importante para uma categoria que trabalha diariamente sob  muita pressão, mas não aceita ainda algumas inclusões não previstas no último acordo, como por exemplo o pagamento de seguro de vida para os jornalistas.

Os jornalistas de MT são os únicos a contar em acordo coletivo com uma cláusula de veta assédio moral.

Hoje à noite, em assembleia geral, a categoria volta a analisar a conjuntura da Campanha Salarial 2012 e vai votar novos encaminhamentos.

A primeira fase de negociação foi realizada no Sindjor-MT e também convocada pela entidade. A segunda fase, em curso, está sendo convocada pela SRTE e também realizada no Sindjor, porque o prédio da Superintendência está em obras. Não havendo acordo, o caso pode ser levado à Justiça.



Comentários

Postagens mais visitadas