Jornalistas da Folha do Estado decidem, em assembleia, encerrar mais uma greve

Repórteres e editores da Folha do Estado decidiram, em assembleia realizada na empresa na última sexta-feira, 13 de abril, encerrar mais uma greve, diante da promessa de pagamento de duas folhas salariais atrasadas. Depois de descumprimento de mais um acordo - pagar os salários atrasados até quarta-feira (11/04) - toda redação do impresso entrou em greve no dia 12/04 e o jornal de sexta-feira (13) não circulou.

A proposta da empresa aceita pelos trabalhadores é: pagamento dos salários de fevereiro e março no dia 18 às 17 horas e 20 de abril às 12 horas, respectivamente; mais pagamento de vales de R$ 200,00 na sexta-feira (13/4) a repórteres, de R$ 300,00 na segunda-feira (16/4) a editores, e de R$ 200 para todos os funcionários da redação na terça-feira (17/4), com desconto dos vales na folha de abril de 2012.

O não cumprimento de qualquer um desses prazos implicará em retomada imediata da greve, pois os funcionários continuam em assembleia permanente, o que dá legalidade a paralização diante de um possível não pagamento.

Segundo a diretora de Mobilização do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor/MT), Keka Werneck, a assembleia realizada na Folha foi a mais dinâmica dos últimos anos. "Editores se juntaram aos repórteres e diagramadores, formando um movimento coeso de basta aos atrasos salariais. Ficou claro que a empresa só está tentando negociar agora porque entendeu que, se não pagar o salário, direito básico, os funcionários vão parar e o jornal não vai sair".

Durante a assembleia, os funcionários estavam sob clara tentativa de intimidação por parte de representantes da diretoria da empresa. Parte dos jornalistas presentes discordou da proposta apresentada, mas o acordo foi aceito diante do apelo para que o novo parceiro da Folha do Estado, Beto, tenha uma “chance”de regularizar as pendências financeiras do veículo.

Comentários

Postagens mais visitadas