DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

16 de fev de 2012

ARTIGO: Eu quero um outro jornalismo

Por Keka Werneck*


Eu quero um outro jornalismo, viu Enock Cavalcanti. Um que tenha disposição de se indispor, como você me cobra sempre. Um outro jornalismo, como o proposto pelo Ailton Segura, que dê espaço ao pobre do repórter, para que ele possa se expressar e não ser apenas uma máquina tosca, repetidora, maritaca. Quero um jornalismo pé no chão, de acordo com Gibran Lachowski, que seja a voz do povo sofrido. Um jornalismo que questione os ricos o tempo todo, porque, como sabemos eu e Marcela Brito, quanto mais um ganha outro perde na lei do capitalismo.

Quero um jornalismo que saia incansavelmente às ruas, como o de Alecy Alves, para alegria da professora Sônia Zaramella, que lamenta o repórter burocrático, assentadinho em frente ao computador, telefone à mão, celulares ao bolso, asséptico. Um jornalismo que sua a camisa, que volta sujo para a redação, porém realizado no âmago.

Quero um jornalismo talhado em casa e depois em sala de aula, que chegue para romper e não para manter.
Quero um jornalismo fênix, capaz de ressurgir das cinzas, na linha Najla Passos, que, após a fadiga existencial, se reencontra, se redescobre e entra no jogo novamente.

Um jornalismo vigoroso e confiável, como o texto de Márcia Raquel ou de Ana Cláudia Drummond.
Não me contento com outro jornalismo que não seja um tanto literário, cuidadoso com as palavras e vivenciado com mais calma, como busca Marcio Camilo.

Um jornalismo que traga sim exclusividades, notícias em primeira mão, como gosta Téo Meneses, mas que saiba ir um pouco mais a fundo e articule os fatos entre si, como ele mesmo faz tão bem.

Quero um jornalismo romântico, como eu defendo todo dia. Um jornalismo afetuoso, como um abraço de Liana Meneses. Um outro jornalismo, que não seja fétido, que cumpra seu papel, que esteja sempre nos bastidores, que revele e não esconda. Um jornalismo digno como Antônio Carlos Silva. Ou íntegro, como Antônio Lemos. Um jornalismo que seja capaz de tocar a pele da gente, como as palavras de Rose Domingues. E que conte uma história tão bem, como Martha Batista.

Não quero mais esse jornalismo que oprime e que faz meus colegas infelizes, decepcionados, cabisbaixos, se sentindo fracassados.

Quero um jornalismo novo, como o sopro de esperança que vem trazer Renê Dióz ou Thiago Foresti.

Um fotojornalismo que soque o estômago da gente fazendo lembrar que a vida é dura, como diz Mary Juruna. Um jornalismo grandioso como registra José Luiz Medeiros, iluminado, tecnicamente deslumbrante, perfeito, regional, que foque o caboclo. Que ponha o índio nu e na aldeia como Mário Vilela.

Um jornalismo que busca um viés curioso e de repente nos toma de assalto, como faz Rodrigo Vargas. Que escolhe bem as pautas, a dedo, que nem se cata conchinhas na praia, as mais bonitas, interessantes, rajadinhas ou rosadas.

Quero um jornalismo de confiança, como quando leio o Jonas da Silva e sei que ele conferiu os dados. Um jornalismo que seja ímpar em meio ao comum, como eu vejo Jonas Campos fazer, que independa um pouco do veículo, seja mais autoral. Um jornalismo na veia, como o que injeta até hoje Rubens Valente.

Quero um jornalismo que diz o que tem que ser dito, como fez Ricardo Boechat denunciando os absurdos no despejo em Pinheirinho. Um jornalismo que chora diante do que é triste, lamentável, de cortar o coração, insustentável, nojento, medonho, criminoso. Que fica puto, que sai do sério e depois volta ao equilíbrio. Humano é assim! Mas não um jornalismo histérico, ensimesmado, vaidoso, que usa os fatos para promoção pessoal.

Quero um jornalismo que tenha antepassados, como Jê Fernandes, Nelson Severino, Severo Crudo, Mino Carta, Munir Sodré, Alberto Dines...

Um jornalismo militante, que levanta bandeira, como o de tantos sindicalistas. Que proponha mudanças, como a democratização da mídia e outras pautas urgentes, como Bia Barbosa, Leonor Costa, Pedro Pomar, Sílvia Regina.

Quero um jornalismo que contrarie o patrão, que ignore a linha editorial, que desafie o sistema midiático, que cuspa no chão e seja bruto também.

Quero um jornalismo radical, como a língua de Luana Soutos. Indignado, como a Dafne Spolti. Moderno como Euzyane Teodoro e charmoso como Tchélo Figueiredo e Kleber Lima.

Quero um jornalismo contra a corrupção e pelos direitos humanos todos!

Um jornalismo do bem, como Anderson Pinho. Que saiba ver também o lado bom das coisas, como Márcia Andreola.

Um jornalismo parcial como faz Rodrigo Viana e por isso mesmo mais honesto com o expectador, leitor, receptor, como queiram.

Quero um jornalismo reclamão, como Laura Lucena, primeira mulher repórter de rua em Mato Grosso. Capaz de loucuras!

Quero um outro jornalismo, mais envelhecido do que jovem, mais maduro do que imaturo, mais profundo do que factual, mais literário que fugaz, mais político do que sonso, mais preto do que branco, mais popular que elitizado, mais verdadeiro que mascarado, mais urgente do que descartável.

Quaisquer que sejam os jornalismos, que estão por aí ou por vir, são feitos por todos nós, braçais da imprensa.

Keka Werneck é jornalista em Cuiabá e diretora de Mobilização do Sindjor-MT

2 comentários:

Liana Menezes disse...

Eu também Keka Werneck, quero esse jornalismo que provoque, desafie, agregue, faça a diferença! Não o que querem que acreditemos que já era, porque esse aí, não faz parte do caminho que escolhemos para trilhar. Quero um jornalismo que tenha a sua indignação, bem como a sua lucidez e capacidade de ouvir, e coragem de falar. Sua capacidade de chorar quantas vezes o coração for tocado pelo olhar perdido das crianças sem chance, de compartilhar, de se dar por inteiro, de conjugar o verbo amar muitas vezes ao dia, de entender que é possível cantar e levar a música a quem ainda não soltou a voz, de reconhecer o erro e pedir desculpas, sem medo de ser feliz! Esse jeito keka de sorrir como o sol da manhã, de gargalhar como sol do meio dia e de esboçar um leve movimento com os lábios, como o sol que fecha o fim do dia. Quero sim, minha gente, continuar trilhando essa estrada, pois como diz nosso Thiago de Mello , "(...) o caminho me ensinou a caminhar cantando, como convém a mim e aos que vão comigo,pois já não vou mais sozinho ..."

Elza Lima disse...

É por esses exemplos que sinto orgulho de ser jornalista, em um tempo em que o jornalismo anda tão feio. Apesar de todas as dificuldades, não desisto de ser jornalista exatamente porque ainda acredito que posso e faço a diferença e porque sei que aqui e ali existem jornalistas verdadeiros, de corpo e alma e que sempre colocam o coração no centro da pauta. Tenho muito orgulho de vocês como amigos e como colegas! bjo em todos. Elza Lima