Movimento Favelativa pede apoio ao Sindjor e a todos

O Movimento Favelativa teve que parar com várias atividades que oferece à população do bairro Jardim Vitória, na periferia de Cuiabá, por conta de dívida com a Rede Cemat. Há 10 dias, a energia está cortada e, conforme o DJ Taba, coordenador do Movimento, a maioria dos voluntários presta serviços à noite. Está parado o Laboratório de Informática, através do qual 25 alunos já se formaram este ano e nova turma está prestes a se formar. Entre os alunos, há adolescentes grávidas. O Movimento tem uma Biblioteca Comunitária, que este ano lançou três livros. A Biblioteca é muito usada à noite. Na sede do Favelativa, também acontecem as reuniões do Narcóticos Anônimos (NA), para usuários de drogas e familiares. A alfabetização de alunos só não parou porque as aulas estão ocorrendo na casa da professora. As aulas de capoeira e dança de rua estão suspensas, o que é uma tristeza para os adolescentes que adoram. O valor da dívida é R$ 828. O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT), assim como diversos movimentos sociais, recebeu um ofício do Favelativa, pedindo qualquer quantia no sentido de quitar a dívida e para que as atividades voltem ao normal. O Sindjor, que também funciona com baixo orçamento, vai ajudar simbolicamente com R$ 30 e mais esta nota. Portanto, quem puder colaborar, deposite na conta Conta Corrente 11.166-X, no Banco do Brasil, Agencia 4042-8, que está em nome de Adnilson da Silva Lara, o DJ Taba.

Comentários

Postagens mais visitadas