DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

11 de mar de 2011

Universitários escrevem livro sobre histórias de travestis

Jozzyanne desafiou conceitos fundamentalistas, e agora, solta a voz cantando hinos religiosos. Já Malu organiza reuniões e participa de palestras ativistas exigindo direitos iguais a todos. Simone faz diversos cursos para ampliar seus conhecimentos e repassá-los aos visitantes do museu que coordena. Jô, depois de conquistar estabilidade financeira, mergulhou no sonho de ser mãe. Constituiu família e hoje é casada, tem três filhos e um neto. Carol mudou de vida e profissão. Deixou de trabalhar como enfermeira e hoje é prostituta.

Situações distintas de pessoas que têm algo em comum. Todas citadas acima são travestis. Essas cinco histórias estão no livro-reportagem "Travestidas - Caminhos traçados por batom e preconceito", escrito por dois estudantes de Jornalismo como trabalho de conclusão de curso. O jornalista José Fernando Martins de Oliveira, de 25 anos, conta que inicialmente a ideia de fazer o livro-reportagem com temática homossexual trouxe impasses. "Alguns professores acharam que não iríamos conseguir entrevistadas e ficaram preocupados com o tempo disponível para escrever um livro", comenta.

Cristiane de Oliveira Silva, também de 25 anos, diz que o trabalho foi divertido e que todas as travestis entrevistadas apoiaram o projeto. "Cada personagem tinha uma peculiaridade, uma história para contar. Queríamos expor o que compõe todo o universo travesti, mas sem nos prender em estereótipos estabelecidos pela sociedade e a mídia." Conforme escrito no livro, "Travestidas" são páginas preenchidas sem interferências de policiais em delegacias, de clientes nas avenidas e entorpecentes em boates.



O projeto foi avaliado pela banca final no dia 1º de dezembro e recebeu a nota 9,5. "Quem já leu o livro gostou bastante e, com certeza, agora tem uma nova visão sobre as travestis", conta José Fernando, agora graduado. "Se conseguirmos eliminar a homofobia de apenas uma pessoa com nosso trabalho, acho que cumprimos nosso objetivo", conclui Cristiane.

Informações
José Fernando Martins de Oliveira
josefernandomartins@gmail.com

Um comentário:

Andre Alves disse...

Parabéns aos jornalistas univesitários. Escrever um livro reportagem sobre um tema que infelizmente ainda é um tabu mostra a competência dos autores.