DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

29 de mar de 2011

Projeto Paralelo 15


Diário de Bordo 17mar11


Acordamos cedo em Chulumani e apesar da chuva fina saímos em busca de um café da manhã, nosso carro dá sinal de que teremos problemas em breve e vamos a praça procurar algo para comer, como tudo na Bolívia abre tarde, por volta de 9 horas, ficamos surpresos ao encontrar um estabelecimento chamado "Enpanadas Maria" aberto e com a família inteira trabalhando, chegamos na hora que saia a primeira remessa de empanadas do forno, por aqui ficamos e logo a simpática família nos repassa muita informação sobre os Afro da região e nos apresenta Julieta Hurtado Andaveres (foto 1), jovem Afroboliviana, neta de Pedro Andaveres, herói nacional durante a guerra do chaco.


Após comermos muitas empanadas de queijo quentinhas, acompanhadas pelo legítimo café Yungueno (foto 2) e aprendermos um bocado mais sobre os Afro de Sud Yungas, saímos em direção a Chicaloma e enfrentamos outra estrada acidentada que corta e atravessa vales profundos cobertos de vegetação exuberante e plantações de coca.

Chegamos a Chicaloma (fotos 3,4,5 e 6) no alto das montanhas e vemos que é uma pequena vila bem estruturada com boa parte da população Afro e que está completamente vazia, todo o comércio fechado e somente as pessoas que secam as folhas de coca estão por aqui, todos estão nas plantações (foto 11), realizam a colheita das folhas e tratos diversos nas complicadas plantações.

Conseguimos alguns contatos e para nossa surpresa o acesso as pessoas por aqui é mais fácil, quase todos se deixam fotografar e filmar e logo conseguimos bom material e informações, a exuberância dos frutos da terra por aqui nos surpreendem, os pés de cafés estão completamente carregados e toda a região é exuberante, as plantas de coca são lindas e algumas ficam muito carregadas de pequenos frutos amarelos e vermelhos.

Ficamos em Chicaloma até a hora do almoço e então retornamos a Chulumani (foto 12) de onde seguiremos de volta a Coroico, Edgar tem compromissos de trabalho inadiáveis em La Paz e deve pegar um ônibus em Coroico no final da tarde. Enfrentamos os cerca de 80 km de estrada perigosa e fascinante já com mais tranquilidade e como o tempo está um pouco fechado, quase não paramos para fotografar.

Próximo a Coroico entramos por uma estrada que não conhecemos e vamos contornando a Montanha Sagrada, o Uchumachi até chegarmos a Coroico, esta estrada é linda, muito mais selvagem, com paisagens de montanhas cobertas de florestas e cachoeiras caindo na estrada. Tudo muito preservado principalmente por imposição da comunidade que protege a montanha sagrada que por sua vez abastece Coroico com água pura e abundante.

Quase chegando em Coroico, nosso carro começa a dar problema e por pouco não ficamos aos pés do Uchumachi, chegamos ao caos urbano de Coroico e tentamos arrumar o carro, como já é tarde e tudo está fechado, deixamos Edgar para voltar a La Paz e arriscamos voltar ao Hotel La Finca no escuro, a luz de minha pequena lanterna de mão, chegamos lá e como sempre somos muito bem recebidos, nosso porto seguro nos acolhe com alegria, amanhã enfrentaremos o problema do carro um pouco mais descansados.



estrada entre Chulumani e Chicaloma (acima)



A foto acima e as duas seguintes são da chamada "Estrada da Morte"


Nenhum comentário: