DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

1 de out de 2010

RESPOSTA À NOTA DO SINDJOR-MT - CANDIDATO: SILVAL BARBOSA


Cuiabá, 30 de setembro de 2010.


À jornalista Keka Werneck
Presidente do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso


Em atenção às proposições desse Sindicato, considero relevantes as colocações postas, sobre as quais temos posição, exceção de algumas que são de natureza privada entre o profissional e o seu ambiente de trabalho.

1 – Interiorização da mídia pública estadual: no ano de 2009, a Secom, através da sua Secretaria-Adjunta de Imprensa, percorreu todos os pólos a maioria dos municípios de Mato Grosso, reunindo-se com dirigentes de todos os veículos da mídia local e regional, visando estabelecer critérios de vínculo publicitário e jornalístico. O objetivo foi o de valorizar a mídia do interior, ao mesmo tempo em que se ouviu as suas colocações a respeito de ações do governo e o recall da sociedade;

2 – Interior - Desde aquele levantamento, discussões e posicionamentos, os gastos publicitários do governo de Mato Grosso estão contemplando a maioria dos veículos da mídia do interior, indistintamente, respeitando o seu grau de influência na formação de opinião local ou regional;

3 - Conceito - As agências de publicidade contratadas para a criação, produção e distribuição da mídia governamental, estão direcionadas para a concepção de material publicitário mais conceitual, capaz de gerar conscientização na sociedade a respeito dos temas abordados nas campanhas e os desdobramentos junto às comunidades e no conjunto, da própria sociedade estadual;

4 – Estatística - Há um volume enorme de veículos de mídia distribuídos entre rádios comunitárias, rádio FM e OM, mas poucos jornais diários, muitos semanais, quinzenais, mensais, grande número de emissoras de televisão, sites e blogs com diferentes graus de participação junto à opinião pública. Todos foram levantados e parte deles já passaram a receber mídia governamental proporcionalmente;

6 – Diploma - O fim do diploma para o exercício da profissão de jornalista é um tema controverso. Por isso somos, favoráveis à discussão da pauta pela categoria, governo e entidades organizada com o objetivo de confrontar os prós e os contras ao fim da obrigatoriedade, tais como seminários, congressos e workshops.

7 - Reformulação - Por fim, está previsto que a Secretaria de Comunicação Social do Governo de Mato Grosso passe, antes do fim deste ano, por uma profunda reformulação, que atenda aos interesses cotidianos da administração pública estadual, quanto à produção de informações estratégicas capazes de orientar investimentos, negócios, a política, a economia e a própria administração. Com isso serão treinados novos jornalistas para essa nova fase estratégica da Secom. A reformulação pretende reestruturar a Secretaria de Comunicação com ampliação do espectro de cobertura de texto, de vídeo, de áudio e de fotografia, não só para apoiar a mídia do interior, como para abrir canas de comunicação conceitual a respeito de temas que forem estratégicos para a Administração e para a Sociedade mato-grossense;

8 – Abrangência - Imaginamos que com essa nova abrangência decorrente da ampla reformulação técnica e administrativa prevista da Secretaria de Comunicação Social do Governo de Mato Grosso a maioria das questões apresentadas pelo Sindicatos dos Jornalistas de Mato Grosso seja respondida naturalmente, tanto pelas ações diretas quanto pelos seus desdobramentos.

Esperando ter respondido a contento as ponderações desse Sindicato, continuamos à disposição para eventuais complementos ou debates.

Cordialmente,




Osmar de Carvalho
Coordenador de Comunicação

Nenhum comentário: