DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

26 de set de 2010

TV muda regras e candidatos se limitam às propostas


É o penúltimo evento na reta final da campanha eleitoral; emissora proíbe perguntas sobre corrupção


Por Bruno Garcia, Antonielle Costa e Isa Souza

A TV Rondon (SBT/5) promoveu, na noite de ontem (25), debate entre os candidatos a governador de Mato Grosso. O evento, mediado pelo jornalista do SBT/São Paulo, Hermano Henning, teve suas regras mudadas em cima da hora: não foi permitida pergunta sobre corrupção.

A alteração provocou protesto dos candidatos de oposição, notadamente de Mauro Mendes (PSB) e Wilson Santos (PSDB), que lutam para levar a eleição para o segundo turno e têm nas denúncias de suposta corrupção no Governo a arma principal para combater o governador Silval Barbosa (PMDB), candidato à reeleição.

A mudança nas regras evitou que o debate saísse do terreno das propostas de administração e resultasse em baixaria. Wilson e Mauro ainda fizeram referência ao Escândalo dos Maquinários, esquema de superfaturamento da compra de máquinas e caminhões para os municípios de Mato Grosso, por meio do programa "Mato Grosso 100% Equipado". Contudo, em momento algum, confrontaram com Silval, que teve dois direitos de resposta.

Este é o penúltimo debate antes das eleições de 3 de outubro próximo. Os candidatos voltam a se encontrar, ao vivo, na próxima terça-feira (28), na TV Centro América (Globo/4). Antes, na segunda-feira (27), eles debaterão propostas de gestão na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT).

A campanha na telinha se encerra no dia 30, com o fim da propaganda eleitoral gratuita, que também é veiculada no rádio.

Mais informações no site www.midianews.com.br.

Foto de crédito: Site RD News

Um comentário:

cidadão cuiabano disse...

Cadê a liberdade de expressão e Imprensa? Essa mudança de última hora faz acreditar em um suposto acordo político com a emissora. Advinhe, qual dos quatro candidatos poderia fazer esse acordo? Viva a Constituição brasileira!