DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

1 de fev de 2010

A bolha e o Peter Pan

Por Camila Tardin

Na infância, quando eu e minha irmã cansávamos de brincar de boneca, correr ou andar de bicicleta, às vezes imitávamos os adultos. Brincávamos de ser “gente grande”! Nossa casa era dividida em outras imaginárias, com objetos imaginários e carros imaginários. Tínhamos emprego e até namorado – imaginário, é claro.


Colocávamos os sapatos de salto alto da nossa mãe e usávamos o dinheiro do jogo banco imobiliário como se fosse nosso salário. Éramos professoras, empresárias e gerentes. Simulávamos problemas no trabalho e desentendimentos com os parceiros fantasmas. A brincadeira funcionava como um pequeno teatro, mas sem platéia.


Hoje, avaliando esse pedaço do passado, me pergunto: por que, durante a infância, algumas vezes caímos na besteira de imitar os adultos? Isso deveria ser terminantemente proibido! Uma hora essa fase complicada chega e sentimos uma saudade danada da meninice, do sorvete lambuzado na roupa, da coleção de machucados nos joelhos, das gargalhadas espontâneas e dos passeios improvisados.


Pensava que só eu e minha irmã havíamos tropeçado nessa bolha de invenção sobre a vida adulta, mas me enganei. Recentemente presenciei uma criança solitária discutindo com o namorado (imaginário também) na sala de uma casa. Acho que ela devia ter uns cinco anos de idade. A garota dizia, com olhar sério e nariz empinado: “Me deixa em paz! Não quero mais falar com você!”. Seria uma reprodução daquilo que ela vê em casa ou do excesso de bobagens que assiste na televisão?


A mãe, na sala ao lado, riu do episódio e aproveitou o momento para contar, com orgulho estampado no rosto, outras “aventuras” imaginárias da filha. A menina aguarda ansiosamente para entrar na escola. Espero que esse dia chegue rápido! Assim, quem sabe ela dá um sumiço no namorado Gasparzinho e vai curtir a alegria de ser criança.


Um dia a garota vai saber que a gente cresce e, junto com esse processo natural, os compromissos aumentam, as preocupações dobram e o tempo diminui. O amor pode ser farto ou escasso... Os amigos verdadeiros são poucos. E para ter sucesso na profissão tem que ralar muito.


Embora essas constatações sejam bastante óbvias, com certeza ela e eu não aprendemos isso na escola. A vida se encarrega de nos ensinar. E os nossos pais, por mais que se esforcem em disfarçar as preocupações com as contas a pagar e com o futuro dos filhos, em algum momento deixam escapar as mazelas dos adultos: estresse, impaciência, ansiedade, nervosismo, medo...


Talvez, um dos objetivos de quem inventou o Peter Pan era despertar nos adultos a criança que deixamos de lado quando crescemos. É bom que alguém desenvolva logo um novo personagem para estimular as crianças a enxergarem a fase boa da infância. Assim, elas não correrão o risco de escorregar na bolha imaginária e descobrir que ser gente grande nem sempre é divertido.


Camila Tardin é jornalista em Cuiabá

2 comentários:

Keka disse...

Lindo texto Camila. Parabéns. Bjo Keka

Camila Tardin disse...

eita! Levei um susto com minha foto kkk
Obrigada Keka. Um elogio vindo de vc é sempre bom!
Obrigadão.
Bjs!