DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

23 de nov de 2009

Indignação de uma jornalista (Eu fiz a prova do concurso)


Por Gleid Moreira

É de amargar! Aquele que poderia ter sido um dos maiores concursos públicos do país, uma nova chance na vida de milhares, oportunidade de empregos a tantas pessoas esperançosas, se tornou um verdadeiro “pesadelo”, aliás, mais uma vergonha para denegrir a imagem de Mato Grosso e, pior em nível nacional. Inevitavelmente, tristemente, mais uma fraude para contabilizar. Até quando?
O mais constrangedor é o fato de que tudo isso acontece num momento onde a prioridade é mostrar o lado “belo” do Estado, afinal, Mato Grosso é um dos escolhidos para a Copa de 2.014. Não podemos negar que a decepção é geral. Desempregados, pais de famílias que buscam a estabilidade funcional, estudantes de todo o país, enfim, representantes do “povo brasileiro” estão aqui, no Estado, onde o tão esperado Concurso Público poderia fazer a “diferença” depois de tantos anos na expectativa de tal evento.
Assim como milhares de candidatos, também fiz a prova. Exceto por algumas questões que em minha opinião tiveram um teor “infeliz” e, porque não dizer até “ridículo” para o nível dos cargos a que se propunha tal argüição, tudo estaria dentro da normalidade, não fossem as inúmeras “aberrações” que surgiram em alguns locais de provas, ainda nas primeiras horas do dia “D”, mostrando a fragilidade da “segurança” ou a falta “dela”, que tantos temiam.
E agora? É a pergunta que não quer calar. É claro que o governo apontará uma solução. Pode ser a prorrogação do evento, a devolução do valor pago pelos candidatos na inscrição, mas nenhuma delas apagará a imagem da “vergonha” que irá veicular, país afora, sobre o nosso Estado.
Enquanto pessoas honestas se preocupam em preservar a idoneidade, o oposto de cidadão não sabe mais de onde tirar tamanha “criatividade” para driblar as leis, burlar regras e tirar proveito a qualquer custo das situações, como se vivêssemos numa “selva” onde as leis existissem apenas em prol do “mais forte”, esquecendo que a “Lei de Deus” tudo vê, tudo pode e mais, a mentira tem perna curta. Ou ainda, chega um momento em que a “casa cai”, “as máscaras também” e, aquele que não acata as regras em algum momento talvez, quem sabe, será punido. Enquanto isso teremos o dissabor de escolher o cardápio das inúmeras “pizzas” a que somos submetidos dia-a-dia em todos os segmentos do país.
Fraudar um concurso desse nível deve ter pena “muito” severa, afinal, quanto dinheiro dos nossos bolsos, agora, vai parar no lixo? Alguém já sabe o montante gasto dos cofres públicos para o evento? Não sei se sinto indignação, revolta ou asco de tais responsáveis por esse caos, mas o certo é que a população deve se manifestar de alguma forma.

Gleid Moreira
Jornalista em Cuiabá, atualmente assessora de imprensa do deputado Airton Português (PP)
Obs: Desculpem-me por erros de qualquer natureza, mas não poderia deixar de manifestar minha indignação a mais uma fraude.

Nenhum comentário: