DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

18 de jun de 2009

DESABAFO DE ROSE VELASCO

Caros colegas,

Já que jornalismo não é mais uma profissão e ter diploma não é mais qualificação para o exercício de uma profissão, que tal darmos início à um movimento nacional para derrubarmos também a obrigatoriedade de diplomas para outras "profissões", por exemplo: o fim do diploma e da carteira de OAB para o exercício da advocacia, da medicina, da engenharia, da nutrição, da odontologia, etc..., afinal também são profissões, ou não? afinal, o que é o jornalismo? se não é uma profissão é um hobby? um passa tempo? confesso que já não sei mais nem quem eu sou. Uma desocupada talvez que um belo dia decidiu escrever reportagens, fazer entrevista, editar telejornal, correndo risco de morte, entre outros riscos inerentes a "profissão"?

Estou curiosa para saber quem indenizará aqueles que pagaram para fazerem o curso de jornalismo? quatro anos de investimento por nada? e as faculdades o que farão com suas vagas?

Meu Deus, em que Brasil estamos vivendo? onde foi parar a segurança jurídica, o direito adquirido, o que fizeram com o artigo da constituição da República que dispõe: "é livre o exercicio de qualquer profissão resguardada a sua qualificação profissional"? alguém me explique, por favor, o que significa "qualificação profissional"? afinal se não é obrigatório ter diploma, muito menos estudar, não é isso? ou eu sou burra ao ponto de não conseguir entender o que os chamados "guardiões da Constituição" (STF) estão ´pensando e decidindo? Se existir alguém menos burro do que eu nesse país, por favor me responda essas perguntas, pois preciso entender o que está acontecendo em meu país e não consigo, sério, não consigo entender mais nada. Aliás falando em STF, alguém já parou para pensar como são feitas as escolhas de seus integrantes? isso é muito importante, afinal são eles "Ministros" responsáveis pela "defesa da Constituição da República", será que eles estão qualificados para tamanha responsabilidade?

Creio que está passando da hora de nós brasileiros começarmos a nos interessar mais a respeito da qualificação "profissional" de pessoas que exercem tamanha responsabilidade; por que não exigirmos mudanças na forma de indicação dessas pessoas que ocupam esses cargos de decisão com tamanha responsabilidade? nós que escolhemos essa "profissão" e que lutamos dia-a-dia para que ela seja respeitada temos, sim, o poder de mudar esse estado de coisas, não dá pra ficar somente desabafando e protestando. é importante não perdermos a capacidade de nos indignarmos diante de tamanho desmonte.

Estou indignada e completamente emburrecida.

Rose Velasco é jornalista em Cuiabá

Nenhum comentário: