28/03/2008

Chega de tanto privilégio!

Por Alecy Alves

Em nome de um conceito próprio de que o que produzem alimenta o país, gera riquezas, movimenta a economia nacional, que a vida na cidade depende do campo e de tantos outros argumentos e falácias, todos os anos assistimos à busca incessante de produtores rurais por tratamento privilegiado sobre o pagamento de financiamentos bancários. Preferencialmente, querem o perdão das dívidas e, se não conseguem tudo, lutam pelo menos pela máxima redução e rolagem por longos anos, 20, 30 ou mais. E se não alcançam o que almejavam se sentem não apenas frustrados, mas decepcionados. Comportamento similar têm os madeireiros, mesmo aqueles, óbvio que não são todos, que trabalham irregularmente, ou seja, que compram madeira de origem duvidosa ou reconhecidamente extraída ilegalmente das florestas mato-grossenses. Rechaçar estatísticas que contrariam seus interesses, ou melhor, que podem resultar em prejuízos, tornou-se algo comum em todos os setores públicos e produtivos do estado. Na verdade, essa prática virou moda. Temos visto situação igual tanto na Segurança Pública, quanto no Meio Ambiente e na Saúde. Somente nós, trabalhadores, sobre os quais recaem os mais pesados tributos, já que pagamos impostos pelos serviços públicos de que dispomos e dos que ainda nem tivemos acesso, e em tudo aquilo que adquirimos, continuamos apanhando calados. Pior ainda, essas obrigações tributárias são tão espalhadas e ao mesmo tempo escondidas, que nem temos como fazer as contas para a articulação de protestos. Senhores, está certo que vocês tem poderes, financeiro e político, para bradarem em alto e bom som e até ameaçar parar o campo ou então de financiar representantes nos poderes públicos. A questão é que a sociedade não suporta mais pagar pelas dívidas que não contraiu.
Quando um não honra o compromisso que fez, todos pagamos juntos. A conta é rateada independente de classe social, raça ou credo. Basta o que já somos obrigados a pagar para o FMI. Digo somos, porque independente da quitação da dívida geral, a população mais pobre continua sendo privada de melhorias por conta do endividamento com o Fundo Monetário Internacional. Cobrar dívidas não pagas e fiscalizar atividades supostamente ilegais responsabilizando civil e criminalmente, se for o caso, aqueles que se sobrepõem à legislação, é obrigação dos poderes constituídos. Assim como a liberdade de espernear, o que nem sempre significa que seremos atendidos em nossas vontades.

ALECY ALVES é jornalista em Cuiabá

27/03/2008

"Nesse luto, começa nossa luta!"

"Pode-se dizer que tudo começou ali - se é que se pode determinar o começo ou o fim de algum processo histórico. De qualquer maneira, foi o primeiro incidente que sensibilizou a opinião pública para a luta estudantil. Como cinicamente lembrava a direita, era o cadáver que faltava".(trecho do livro 1968 - O ano que não terminou, de Zuenir Ventura)
Há 40 anos, no dia 28 de março de 1968, durante confronto entre estudantes e a polícia no restaurante Calabouço, centro do Rio de Janeiro, com um tiro no coração, morria o primeiro estudante assassinado pela ditadura, o estudante Édson Luís de Lima Souto, baleado no peito pelo comandante da tropa da PM, o aspirante da polícia Aloísio Raposo.
Logo após o assassinato, o corpo de Édson Luís, foi levado até a Assembléia Legislativa, onde o velaram, e de onde cerca de 50.000 pessoas o acompanharam em passeata, até o Cemitério São João Batista, onde foi sepultado.
A frase de uma mãe que presenciou o enterro do estudante entrou para a história: "podia ser meu filho". O assassinato do jovem causou indignação geral, os presentes no sepultamento ouviram o juramento dos estudantes: "Neste luto, a luta começou".
No período que se estendeu do velório até a missa da Candelária, realizada em 2 de abril, foram mobilizados protestos em todo o país, principalmente no Rio de Janeiro, Goiânia e Brasília.
Sua morte marcou o início de um ano turbulento de intensas mobilizações contra o regime militar que endureceu até decretar o chamado AI-5.
No dia 26 de junho de 1968, uma manifestação de protesto pelo assassinato de Édson Luís, reuniu milhares de pessoas no centro do Rio de Janeiro, na região conhecida como Cinelândia.
A manifestação que veio a ser conhecida como Passeata dos Cem Mil, representou um dos mais significativos protestos no período ditatorial do Brasil, designado por Anos de chumbo.
Durante a manifestação, os estudantes não cansavam de repetir:"MATARAM UM ESTUDANTE. PODIA SER SEU FILHO".
Relembrar essa fatídica história, mais do que contar a luta dos estudantes, e honrar a memória daquele que veio a se tornar um mártir do movimento estudantil brasileiro, tem a intenção de mostrar, o quanto custou o direito a liberdade de expressão e a democracia em nosso país, que hoje é tão mal exercido.
Mal exercido, pelo simples fato de não darmos o devido valor ao nosso voto, direito conquistado com a vida de muitos Édson’s, e que hoje infelizmente se tornou objeto de barganha para aquisição de algum proveito pessoal, ou seja compra e venda de voto.
Ainda não compreendemos que o Voto, nada mais é do que uma Procuração, porém uma procuração dada em branco, para alguém nos representar por 4 ou 8 anos, como bem quiser. Você teria coragem de dar uma procuração a um desconhecido ou mesmo não acompanhar o que ele faz em seu nome?
Seja responsável por seus atos, deixe de colocar a culpa de todos os males sociais nos políticos, e assuma sua responsabilidade de cidadão, exerça seu direito com a consciência de que vidas foram dadas por esse direito. Lembre-se que seu voto não tem preço, mas terá conseqüências.
Finalizo este texto, afirmando que juntos podemos fazer a diferença, basta querer e fazer a nossa parte, pois como disse James Baldwin a Martin Luther King:
“Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado,
Mas nada pode ser modificado sem ser enfrentado”.

* João Ricardo Nogueira, foi Presidente da ACES – Associação Cuiabana dos Estudantes Secundaristas, e Presidente da AME – Associação Matogrossense dos Estudantes, tendo como principais conquistas durante seu mandato a frente do Movimento Estudantil, a reconquista da Meia-Entrada, e a conquista o Passe Livre em Cuiabá. (www.jrnogueira.blogspot.com)

IMPERDÍVEL !!!

I SARAU SINDJOR

Jornalista também faz arte, venha mostrar a sua

Varal de poesias e de charges, exposição de artes plásticas e de artesanato, leilões de obras e serviços de jornalistas e simpatizantes, exposição de livros, declamações de poesias, apresentações de dança e de filmes de curta metragem, além de muita música popular brasileira, vão movimentar o Centro Cultura da Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT -, a partir das 20 horas deste sábado, 29 de março de 2008, quando estará sendo realizado o I Sarau Sindjor – Jornalista também faz arte, venha mostrar a sua -, uma iniciativa do Coral do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso que, na ocasião, estará fazendo a sua estréia nos palcos e eventos mato-grossenses.

A entrada é franca e as atrações dessa deliciosa salada cultural são 'imperdíveis' e para todos os gostos, com diversão garantida para a noite de sábado. Abrindo a programação, a exibição do curta "Canção Mato-grossense" - Hino de Mato Grosso, uma produção do Sebrae MT, com duração de 8 minutos, roteirizado e dirigido pela premiada cineasta e jornalista Bárbara Fontes. E, seguida, o jornalista e documentarista Elton Rivas apresenta 25 minutos do total de uma hora do documentário 'Em trânsito', que trata da questão indígena, do qual também foi roteirista e diretor.
O jornalista e artista plástico Bolivar Figueiredo fará uma exposição do seu trabalho. Elaine Thomé Parizzi, advogada, pós graduada em Gestão e Planejamento Cultural, que tem um grande interesse por jornalismo, principalmente o jornalismo cultural, irá expor o seu livro - Manual Técnico sobre Leis de Incentivo a Cultura, ele é abrangente e interessante para quem quer fazer projetos pelas Leis municipais, estaduais e a federal Rouanet.
Também contaremos com um varal de charge de Brás Rubson, que no dia 15 de abril, às 18 horas, no Sesc Arsenal, em Cuiabá, lançará se livro balanço: "No Bico, Sem Pena! Brás, 15 anos de charges". Trata-se de uma coletânea de charges publicadas nos jornais O Estado de Mato Grosso, Folha do Estado, Diário de Cuiabá e em jornais do movimento popular.

O jornalista João Negrão apresentará trechos do "Poema Sujo", de Ferreira Gullar, acompanhado do violeiro Daniel de Paula, que levará sua viola-de-cocho para fazer o fundo musical e executar uma música. A jornalista e artista plástica Vitória Basaia se fará presente com um painel coletivo, simulando as paredes de uma caverna com inscrições rupestres. Trata-se de uma obra que será concluída durante o evento, pois todos os participantes poderão colocar um símbolo no painel, de forma a expressar o momento vivido hoje pela categoria que está em plena campanha salarial e ainda vive sufocada pelos constantes atrasos salariais.
A convite do jornalista Gibran Luis Lachowski estarão se apresentando na ocasião três happer - Rei Rapper, César e Mano Rap, além da banda de pagode Simpatia. A estudante de jornalismo Luana de Souza.vai mostrar para o público presente o que é a Dança Flamenca. E a sua xará, a jornalista Luana Braga subirá ao palco para cantar a musica My Way, do Frank Sinatra, em japonês.

O jornalista Menotti Griggi, para abrilhantar nossa noite, levará para o Sarau Sindjor uma das artistas da Boate Zumzum, a Miss Gay Mato Grosso - Sara Michigan que fará uma performance de dublagem da Cantora americana Beyoncé.
A convite do Sindjor também estará se apresentando no evento a dupla latina Roger e Júlio.
Os jornalistas Jê Fernandes, Luis Acosta e Ivaldo Lúcio, vão mostrar que são bons na viola e no cavaquinho. Também estará animando o Sarau de sábado, o jornalista André Xavier, uma voz já conhecida nas noites cuiabanas.
A jornalista Lidiane Barros também convidou para abrilhantar essa noite com a sua arte, a banda Mandala Soul, formado no dia 28 de janeiro de 2006 em Cuiabá e que tem como marca a espontaneidade e a originalidade em seu estilo suingado, como gosto de Maria Isabel e Paçoca de Pilão. O Coral do Sindicato dos Jornalias, na Boca do Povo apresenta sábado em sua estréia: "Maria, Maria", do Milton Nascimento, e "Canto para um Povo de um Lugar", do Caetano Veloso.
Maiores informações: Laura Lucena (65) 9922-7497

SARAU – JORNALISTA TAMBÉM FAZ ARTE
Centro Cultural da UFMT
Dia 29/03/2008 - A partir das 20 horas
PROGRAMAÇÃO


20 Horas
Abertura – Palavra da Presidente do Sindjor – Keka Werneck.

20h10
A primeira grande atração desta noite é a exibição do curta "Canção Mato-grossense" - Hino de Mato Grosso, uma produção do Sebrae MT, com duração de 8 minutos, roteirizado e dirigido pela premiada cineasta e jornalista Bárbara Fontes, a quem chamamos para falar um pouco do seu trabalho. Ela fala e em seguida, o filme.


20h20
O jornalista e documentarista Elton Rivas apresenta 25 minutos do documentário Em trânsito, que trata da questão indígena. Elton, suba ao palco para apresentar melhor o seu trabalho.

21 horas
Hoje é um momento cultural. Lá fora, no Saguão do Centro Cultural, vocês devem ter visto uma mostra de vários trabalhos. Dentre eles, Elaine Thomé Parizzi, advogada, pós graduada em Gestão e Planejamento Cultural, que tem um grande interesse por jornalismo, principalmente o jornalismo cultural, e hoje expõe o seu livro - Manual Técnico sobre Leis de Incentivo a Cultura, ele é abrangente e interessante para quem quer fazer projetos pelas Leis municipais, estaduais e a federal Rouanet. Elaine está à disposição de quem quiser tirar dúvidas sobre o tema e até mesmo estiver interessado em possuir esse Manual Técnico de Incentivo à Cultura, do qual, ela disponibiliza dois exemplares para serem leiloados agora. Vamos a um leilão rápido


21h10
O jornalista Menotti Griggi, para abrilhantar nossa noite, trouxe hoje uma das artistas da Boate Zumzum - a Miss Gay Mato Grosso - Sara Michigan que fará uma performance de dublagem da Cantora americana Beyoncé.

21h20
Apresentação, Laura Lucena faz leitura do poema Pássaro, Passará, de Suely Batista e no final da apresentação, ela anuncia mais um leilão do CD e do livro juntos

21h30
A convite do jornalista
Gibran Luis Lachowski vamos assistir agora a apresentação de três happer - Rei Rapper, César e Mano Rap

22 horas
Também, a convite do jornalista Gibran Luis Lachowski, vamos agora conhecer o Grupo de pagode Simpatia

22h30
Fazemos um leilão dos dois cheques massagem da Dual Terapia

22h35
O Sindjor-MT também convidou para abrilhantar essa noite com a sua arte, a banda Mandala Soul, formado no dia 28 de janeiro de 2006 em Cuiabá e que tem como marca a espontaneidade e a originalidade em seu estilo suingado, como gosto de Maria Isabel e Paçoca de Pilão

23h10
Jornalista é curioso e criativo. E para provar que isso não é só boato, a Jornalista Luana Braga sobe a nosso palco para cantar a musica My Way, do Frank Sinatra, em japonês

23h20
Leilão do Livro de fotografias Vila Bela da Santíssima Trindade, de Mário Vilela, com o irretocável texto de Sílvio Carvalho. Mário Vilela hoje mora em Brasília e Sílvio Carvalho agora anda escrevendo lá pelas bandas das Minas Gerais, mas ambos mantêm ligações estreitas com a cuiabania. (Talvez o Mário ceda
o livro do Guilherme Dicke e se der certo, se faz o leilão do livro dele junto)

23h35
O flamenco é um estilo musical e um tipo de dança fortemente influenciado pela cultura cigana, mas que tem raízes mais profundas na cultura musical mourisca, influência de árabes e judeus. A cultura do flamenco é associada principalmente a Andaluzia na Espanha, e tornou-se um dos ícones da música espanhola e até mesmo da cultura espanhola em geral. E , para mostrar para a gente um pouco desta arte, convidamos para subir ao palco a estudante de jornalismo Luana de Souza.

23h50
E agora, pela primeira vez se apresentando em Mato Grosso , o Coral "Na Boca do Povo", mais uma idéia que nasceu nas assembléias que o Sindjor, o Sindicato dos Jornalistas realiza todos os sábados, a partir das 14 horas, na sua sede, na avenida presidente Marques, perto do Hospital Santa Helena. O Coral na Boca do Povo apresenta hoje em sua estréia: "Maria, Maria", do Milton Nascimento, e "Canto para um Povo de um Lugar", do Caetano Veloso

24h15
O jornalista João Negrão agora lê trechos do "Poema Sujo", de Ferreira Gullar acompanhado do violeiro Daniel de Paula, que levará sua viola-de-cocho para fazer o fundo musical e executar uma música

24h30
E agora vamos ver o jornalista Je Fernandes dando um show de cavaquinho, junto com também jornalista Luis Acosta, mais conhecido como Luizão, dando o tom da viola (alguém me disse que os dois se apresentariam, mas não confirmei)

01h00
Vamos agora o jornalista Ivaldo Lúcio e (falta só confirmar o nome do parceiro dele)

01h30
Quem faz o show agora é o jornalista André Xavier, uma voz que se destaca nas noites cuiabanas, mostrando aqui o que o que gosta mesmo é de soltar a voz na interpretação da nossa boa música popular brasileira

02horas
A convite do Sindjor também estará se apresentando no evento a dupla latina Roger e Júlio.

02h30
Programação livre

Chargista lança livro mostrando 15 anos de traço

No dia 15 de abril, às 18 horas, no Sesc Arsenal em Cuiabá, o jornalista Brás Rubson lançará seu livro balanço: "No Bico, Sem Pena! Brás, 15 anos de charges". Trata-se de uma coletânea de charges publicadas nos jornais O Estado de Mato Grosso, Folha do Estado, Diário de Cuiabá e em jornais do movimento popular.

O livro está dividido em cinco temáticas: Poder, Moeda, Natureza, Vivências, Ilustrações e Caricaturas.

"Em Poder persigo as ações nem sempre recomendadas dos políticos e autoridades públicas. Em Natureza, as charges denunciam as devastações rotineiramente praticadas contra o meio ambiente, ressalto a atual situação do rio Cuiabá, com o personagem Pintado Letrado, e mostro o sofrimento do Pantanal com a poluição e o descaso", diz o autor.

O livro traz também algumas ilustrações digitais recentes.

Confira no blog do livro um "aperitivo" de charges e cartuns:

www.nobicosempena.blogspot.com

26/03/2008

Lançado o Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação

Evento de lançamento do Fórum foi realizado na Oca da Adufmat



Representantes de 16 entidades, sindicatos e movimentos sociais já assinaram o manifesto pela criação do Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação (FEDC), lançado em evento realizado hoje pela manhã. Outras quatro entidades já manifestaram interesse em participar do Fórum.

O ato de lançamento, realizado na sede da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat), contou com a participação de cerca de 50 pessoas, entre militantes, sindicalistas, professores, jornalistas, psicólogos e estudantes.

Depois da leitura do manifesto, a vice-presidente do Conselho Regional de Psicologia (CRP), Marisa Helena Alves Batista, falou dos efeitos que a exposição diária da TV causa na formação das crianças e dos adolescentes, e na conduta dos cidadãos. “A participação do Conselho na discussão sobre a Democratização da Mídia não é de agora, uma vez que a Psicologia tem interesse em estudar os efeitos da subjetividade da mídia”, disse Helena Batista.

Em seguida a secretária geral do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor), Márcia Raquel de Oliveira, ressaltou que a discussão sobre a Democratização da Comunicação passa necessariamente pela discussão sobre o processo das concessões de rádio e TV. “O que muita gente não sabe, e não há interesse político em deixar isso claro, é que as rádios e TVs abertas no Brasil operam com concessões públicas. As emissoras não são donas dos canais. Pelo contrário, esses canais são bens públicos, portanto são do povo e devem servir ao povo”, frisou.

O professor doutor Roberto Boaventura, representante Adufmat, destacou em sua fala o quinto ponto do manifesto aprovado, que destaca a necessidade de capacitar os cidadãos para uma leitura crítica dos meios de comunicação. “Para fazer essa leitura crítica a população precisa ter dois elementos: Instrumentos lingüísticos e repertório cultural associativo. Se não tiver esses dois elementos não tem como discutir, mas tem como sofrer as conseqüências”, considerou.

Depois das três participações iniciais a fala foi aberta aos participantes do evento que se manifestaram de forma expressiva e contundente em favor da Democratização da Comunicação.

Ao final do evento ficou acordado que a próxima reunião do Fórum será realizada na terça-feira (01.04), às 19h30, na sede do CRP (Rua 40, número 120 – Boa Esperança). Entre as pautas previstas está o primeiro ato a ser realizado pelo Fórum em defesa da classificação indicativa.

Já assinaram o manifesto de criação do Fórum representantes das seguintes entidades e movimentos:

Conselho Regional de Psicologia (CRP);
Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT)
Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat);
Faculdades Integradas de Várzea Grande (IVE);
Faculdade Cenecista de Rondonópolis (Facer);
União Brasileira de Mulheres (UBM);
Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB);
Sintrae;
União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes);
Centro de Direitos Humanos Henrique Trindade;
Diretório Central dos Estudantes da UFMT (DCE);
AMAV;
ABD;
União Nacional dos Estudantes (UNE);
Cine Clube Coxiponés;
Sindicato dos Radialistas;
Já manifestaram interesse em participar do Fórum:
Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep);
Centro Burnier Fé e Justiça;
Sindicato dos Trabalhadores do Tribunal de Contas do Estado;
Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

MANIFESTO pela criação do Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação

"A Esperança só se justifica nos que caminham. Esperamos porque desesperamos. Porque esperamos contra esse mundo assassino que nos é imposto. O consumismo, dos que se saciam com os McDonald’s, e o conformismo derrotista dos que tem arriado as bandeiras da militância, não tem porque esperar. (...) A esperança é memória, utopia, acção. Devemos mundializar a esperança ."
Dom Pedro Casaldáliga

O MANIFESTO

Entidades da sociedade civil organizada conclamam para a criação do Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação (FEDC). O que nos motiva é a necessidade de mobilizar todos os setores da sociedade mato-grossense por uma comunicação de fato democrática, plural e com responsabilidade social.
O objetivo central é questionar o monopólio da comunicação no País – na forma e no conteúdo -, contrapondo-nos aos interesses políticos e empresariais dos proprietários de veículos ou concessionários de canais públicos de rádio e televisão.
É necessário ressaltar que o Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação nasce com base no Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), criado em julho de 1991 como movimento social e transformado em entidade constituída em 20 de agosto de 1995. Mato Grosso é o 10º estado a organizar o movimento.
A luta pela democratização da comunicação vincula-se aos esforços para uma reestruturação da sociedade brasileira, com o estabelecimento de garantias para o acesso a serviços públicos, ao trabalho e a condições de vida dignas para todos os brasileiros. Essa luta não é um esforço com um fim previsível. Envolve tarefas complexas e gigantescas, exige profundidade nas respostas, senso estratégico e mobilização dos setores organizados da sociedade e dos indivíduos.
Tendo em vista essa complexidade e a necessidade de ações conjuntas de toda a população brasileira, o Fórum Estadual será pautado pelos mesmos objetivos estratégicos que movem o FNDC, porém, com os olhos voltados à realidade do nosso Estado, uma vez que existem questões pontuais que exigem um tratamento específico. Nesse sentido o FEDC entende e defende como pontos estratégicos a serem trabalhados:
1. A adoção de um planejamento estratégico para a área das comunicações, com ampla participação de todos os setores da sociedade interessados, como condição para o alcance de objetivos nacionais, construção democrática da vontade nacional, afirmação da autonomia estratégica do país, assim como da cidadania e da dignidade humana;
2. A mobilização dos setores organizados da sociedade para o estabelecimento de formas de controle público sobre os meios de comunicação de massa - sendo controle aqui entendido como um processo eminentemente político, não burocrático, formalista ou censório - como condição para orientar as decisivas determinações do conteúdo destes meios no desenvolvimento da cultura e da democracia no país;
3. A formulação de uma Política de Comunicações que acolha, como elementos decisivos, a participação da sociedade no seu processo de implementação e a incidência democrática sobre os conteúdos veiculados, assim como a apresentação de requisições para as políticas de telecomunicações e informática e o equacionamento das conexões da área de comunicações com as diversas áreas de atuação governamental (educação, saúde, etc.);
4. A reestruturação do mercado de comunicação no Brasil com a criação de condições favoráveis para a concorrência comercial, fortalecimento da capacidade de produção por empresas e entidades, impulso a segmentos da mídia com necessidades de valorização - a exemplo das rádios e TVs comunitárias -, regionalização da produção e ampliação do mercado, inclusive para viabilização da produção hoje sem canais de distribuição, e amplo estímulo à pluralidade de expressão;
5. A capacitação dos cidadãos para a leitura crítica dos meios de comunicação, nas suas diversas modalidades, e para o debate da estética, a partir da compreensão da linguagem e dos artifícios empregados, e desenvolvimento de formas e condições de defesa da cidadania e da dignidade humana em relação à atuação destes meios, entendendo-se que autonomia intelectual dos indivíduos e capacidade crítica são fatores decisivos para a afirmação da autonomia estratégica do país.
6. O desenvolvimento de condições para a assimilação dos aspectos humanizadores da cultura universal, resistência crítica a elementos desagregadores e, sobretudo, com a incrementação de meios e recursos para afirmação positiva da cultura e da autonomia estratégica e da soberania nacional;
7. A transformação do Brasil em um pólo mundial de elaboração teórica, técnico-científica e política sobre comunicação e, em particular, sobre a produção audiovisual, de modo a que o país se prepare adequadamente não apenas para ser informado pela cultura universal, mas também para informá-la;
8. A campanha para fazer valer a portaria 1.220/07 - que regulamenta as disposições da Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA), da Lei no 10.359, de 27 de dezembro de 2001, e do Decreto nº 6.061, de 15 de março de 2007, relativas ao processo de classificação indicativa de obras audiovisuais destinadas à televisão e congêneres – de forma a obrigar as emissoras de televisão brasileiras a se ajustarem tecnicamente e adequarem suas programações aos diferentes fusos horários do país;

9. A discussão e elaboração de propostas para uma legislação que regulamente a atuação de políticos como apresentadores de programas de rádio e televisão durante o período em que estiverem cumprindo o mandato, de modo a evitar o uso desses meios de comunicação para fins eleitoreiros;
10. A gestão junto ao Governo Federal e ao Congresso Nacional para a regulamentação da rede mundial denominada Internet, que hoje representa a principal das novas tecnologias de informação e comunicação, porém, ainda sem legislação específica no Brasil.
Portanto, tendo esses objetivos como norte para as ações e discussões futuras, as entidades da sociedade civil e organizada de Mato Grosso aqui presentes se dispõem a lutar por uma comunicação verdadeiramente democrática, transparente e responsável.

25/03/2008

PARTICIPE DESTE DEBATE NECESSÁRIO


EMPRESAS COMPARECEM ÀS PRIMEIRAS REUNIÕES


JORNALISTAS DE MT EM CAMPANHA SALARIAL 2008

"PRA TIRAR O ATRASO !!!"


Todas as empresas de comunicação de Mato Grosso convocadas pelo Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) estiveram presentes hoje (25) na primeira rodada de negociações puxada pelo Sindicato.

As empresas foram convocadas por meio de edital publicado em Diário Oficial e de ofícios, aos quais foi anexada a pauta de reivindicações, tirada na Assembléia Geral Extraordinária, dia 16 de janeiro deste ano, em que a categoria pensou junto sobre as demais questões que nos atingem, financeiras e aquelas que interferem na rotina de trabalho.

As empresas convocadas foram:

Grupo Zaran, Grupo Gazeta, Grupo Diário de Cuiabá e Grupo Folha do Estado.

"Vocês já são vitoriosos", parabenizou o advogado Francisco Faid, ao final das quatro reuniões, se referindo à presença dos representantes das empresas. Nos últimos anos, nem sempre as empresas se fizeram presentes em reuniões convocadas pelo Sindicato.

Sinal de que não há como ignorar a luta dos jornalitas !!!

Nenhum dos representantes das empresas, no entanto, fechou acordo.

É importante ressaltar que as pautas foram enviadas com antecedência, mas todos alegaram não terem feito uma conversa prévia capaz de resultar num acordo imediato.

O representante do Grupo Zaran, Paulo Rogério Vargas, disse que estava presente nessa primeira reunião só para ouvir o Sindicato. E que a empresa tem interesse em negociar. Pactuou-se que irá entregar contraproposta dia 9 de abril às 8 horas. Ele questionou o porquê da preocupação do Sindicato com a questão ASSÉDIO MORAL. A presidente do Sindicato, Keka Werneck, respondeu que este é um conceito novo, que esta prática não ocorre somente nas empresas de comunicação e que tem dado ganhos de causa em boa parte dos tribunais do país. E que o Sindicato tem preocupação em não permiti-la. Ele também questionou sobre estágios. E o Sindicato pontuou que está é questão séria e que precisa ser balizada pela entidade de classe.

O bacharel de Direito enviado pelo Grupo Gazeta, Sérgio Paganotto, também disse querer ouvir o Sindicato. Ele não fez questionamentos sobre a pauta de reivindicações. Pactou-se que trará contraproposta dia 4 de abril às 8 horas.

A represente do Grupo Diário de Cuiabá, Clara Tanaka, também não trouxe contraproposta e disse, de antemão, que achou a pauta bastante exigente e que não poderia cumprir com determinadas cláusulas. Disse no entanto que haveria como negociar um piso de cerca de R$ 1,5 mil. Mas que não poderia fechar questão, antes de levar esta discussão para junto do proprietário do DC, Adelino Praeiro. Clara disse também que muitas das propostas na pauta já estão na lei. “Estão na lei mas nem sempre são cumpridas”, respondeu a secretária geral do Sindicato, Márcia Raquel. A representante ficou de enviar contraproposta dia 4 de abril, às 9 horas.

Dois advogados e o gerente administrativo-financeiro da Folha do Estado chegaram ao Sindicato dizendo que a empresa não foi simpática à nenhuma das cláusulas da pauta de reivindicações. Mas acabaram acatando a sugestão do Sindicato, de levar a pauta à presidência da empresa, para nova análise. Pactuou-se que dia 4 de abril, às 10 horas, vão apresentar, sim, contraproposta.

O sindicato aguarda essas contrapropostas, lembrando que está avalizado para flexibilizar, dentro do que foi definido, e votado, na Assembléia Geral Extraordinária, do dia 16 de janeiro.

MAIS UM PASSO IMPORTANTE FOI DADO NESTA CAMPANHA SALARIAL 2008.

O advogado Faid destacou a todo tempo que o piso da categoria é o mesmo há uma década. O que fortalece o grito desta campanha que é "PRA TIRAR O ATRASO !!!"

PARABÉNS A TODOS QUE ESTÃO NESTA LUTA DE FORMA DIRETA E A TODOS QUE
FAZEM A LUTA DIÁRIA NAS REDAÇÕES, NAS ASSESSORIAS, NOS DEMAIS AMBIENTES
EM QUE HÁ JORNALISTAS, NO TRABALHO EXAUSTIVO QUE SÓ NÓS, JORNALISTAS,
SABEMOS QUE ENFRETAMOS TODOS OS DIAS, COM A RESPONSABILIDADE QUE É
TRATAR DA VIDA DAS PESSOAS, DA DINÂMICA DA SOCIEDADE, GANHANDO SALÁRIOS
NÃO CONDIGNOS COM TUDO ISSO E MUITAS VEZES EM ATRASO.


SÓ PERDEM OS QUE NEM LUTAM !!!

24/03/2008

SINDJOR-MT CONVOCA PARA PRIMEIRA RODADA DE NEGOCIAÇÃO

CAMPANHA SALARIAL 2008
PRA TIRAR O ATRASO !!!

O sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) faz amanhã, 25, na sede do Sindicato, a primeira rodada de negociação com as empresas de comunicação na Campanha Salarial 2008.

Com a bandeira "Pra tirar o atraso!", a categoria pede o piso de R$ 2,1 mil e extensa pauta de reivindicações, aprovada em Assembléia Geral Extraordinária, dia 16 de janeiro deste ano.

As empresas convocadas são:

Grupo Zaran
Grupo Gazeta
Grupo Diário de Cuiabá
Grupo Folha do Estado

As mesmas empresas, caso não façam acordo ou caso não estejam presentes, serão convocadas pela DRT, em um segundo momento.

Se ainda assim não houver acordo, o Sindicato convocará a categoria para nova assembléia, para decidir se quer ir ou não para o dissídio coletivo.

VEM PRA LUTA!

19/03/2008

MÍDIA NOSSA DE CADA DIA

Roberto Boaventura da Silva Sá
Dr. em Jornalismo/USP. Prof. da UFMT
rbventur26@yahoo.com.br

Apesar de o Brasil ser um dos maiores países do mundo, em dimensões territoriais, o complexo midiático comercial está concentrado nas mãos de pouquíssimos. Não mais do que oito famílias milionárias - por meio de seus conglomerados empresariais - ditam o modus vivendi de um país inteiro. Assim, apenas uma parcela ínfima da sociedade reúne condições – econômicas e de formação educacional – de se livrar da ditadura midiática imposta pelos grupos Globo, Sílvio Santos, Abril, Folha, Record, RBS, Estado, Bandeirantes.

Essa concentração dos meios de difusão ideológica tem a seu favor a profunda exclusão econômica da maioria do povo brasileiro. Os programas assistencialistas de bolsas miseráveis do governo é a prova inconteste dessa humilhação econômica imposta a tantos. Por sua vez, esse contingente colossal de seres humanos marginalizados do eixo central da economia tem no complexo da mídia comercial seu único espaço para informação e entretenimento.

Do conjunto dessas empresas que funcionam como mais um poder instituído, a TV - pela sua capacidade de massificação - é a que mais se beneficia desse cliente, em geral, sem nenhuma educação formal; quando a tem, tal educação é ainda mais miserável do que sua pobreza econômica. Logo, esse "cidadão", obviamente, é um ser bastante anestesiado diante do que vê, por não possuir instrumentos suficientes para estabelecer qualquer diálogo crítico com ao que assiste.

Das TVs, a Rede Globo, desde que foi criada, em plena ditadura, ainda continua ditando - por meio de sua programação – padrão de “qualidade”, modas, normas, costumes etc. Isso sem falar na ingerência política da vida contemporânea do País. A Globo foi determinante na eleição de todos os presidentes civis pós-64, inclusive nas duas eleições de Lula/PT, embora tal partido faça jogo de cena para dizer o contrário.

Diante desse panorama, a falta de democracia na mídia é algo absolutamente previsível. Esse tem sido um dos grandes problemas para nosso povo. Portanto, pensar a democracia e a democratização dos meios de difusão ideológica torna-se premente. Para isso, a formação de fóruns que promovam tais discussões é de responsabilidade da sociedade civil organizada.

Nesse sentido, Mato Grosso está dando um salto. Começa a surgir entre nós a formação do Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação. A iniciativa é do Conselho Regional de Psicologia (CRP). Esta entidade, preocupada, principalmente, com a classificação etária dos programas e a qualidade do conteúdo dos mesmos, passou a convidar outras entidades e instituições visando à ampliação do debate que já estava estabelecido no interior daquele conselho profissional.

Foi nesse bojo que pude representar - a convite - a diretoria da Seção Sindical dos Docentes da UFMT (ADUFMAT), já na segunda reunião do grupo. Também participaram da mesma reunião, além do CRP, representantes do Sindicato dos Jornalistas (Sindjor) e um docente vinculado ao Instituto Varzeagrandense de Educação e Faculdades Integradas (IVE), por conta do curso de Comunicação que há naquela instituição de ensino superior.

O próximo passo do grupo ocorrerá às 9h, do dia 26, na Sede da ADUFMAT (Oca), campus da UFMT. Será o momento da formalização do Fórum Estadual. Por isso, é importante que todos os cidadãos estejam presentes e dispostos a congregar o Fórum, principalmente aqueles que representam alguma entidade preocupada com a atuação da mídia brasileira. Afinal, esse será um dos melhores espaços para questionamentos sobre a atuação (na verdade, um intenso bombardeio diário) imposta pelos meios de comunicação que, a meu ver, são, na essência, meios de difusão ideológica do status quo.

JORNALISTAS DE MT EM CAMPANHA SALARIAL 2008

SINDICATO DOS JORNALISTAS DE MATO GROSSO
Filiado à Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas e à CUT
Gestão "Não Abandone o Gilmar"-2007 a 2010
Rua Presidente Marques, 1532. Bairro Santa Helena
/Cuiabá – MT/e-mail.sindjormt@hotmail.com
Telefone: 3025-4723
REPLIQUE ESTE E-MAIL POR FAVOR

"Pra tirar o atraso"

O SINDICATO DOS JORNALISTAS DE MATO GROSSO (Sindjor-MT) CHAMA A CATEGORIA PARA REUNIÃO ORDINÁRIA HOJE, QUARTA-FEIRA ( 19), ÀS 19H30, NA SEDE DO SINDICATO. ESTA REUNIÃO ACONTECERIA NO PRÓXIMO SÁBADO (22), COMO SEMPRE, MAS DEVIDO À PÁSCOA, NA ÚLTIMA REUNIÃO (15) FOI DELIBERADO QUE ELA SERIA ADIANTADA.


NA PAUTA

- Interior
- Campanha salarial
- Sarau do Sindjor
- Estágio
- Orçamento
- Outras pautas que surgirem no momento.


Vem pra luta !!!


VOCÊ AÍ PARADO TAMBÉM É EXPLORADO !!!

18/03/2008

VITÓRIA !!! Jornalistas comemoram vagas em dois concursos públicos em Sinop

Nesta segunda-feira, dia 17 de março, a Comissão Diretora de Sinop do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso, comemorou uma importante vitória para categoria, a aprovação do projeto de lei de autoria do Poder Executivo, que cria quinze cargos no quadro efetivo da Prefeitura, a serem preenchidos através de concurso público, entre as vagas duas para jornalistas.

Esta foi a segunda vez que o projeto deu entrada na Câmara, a primeira aconteceu no fim do ano passado e a votação gerou polemica entre vereadores e jornalistas. Nesta segunda vez o Sindicato, apoiado pelos profissionais da imprensa de Sinop e pelos acadêmicos de jornalismo da Facenop, marcou presença nas sessões durante as discussões e votações. “Além de estarmos presente nas sessões tomamos o cuidado de visitar um por um dos vereadores para pedirmos o apoio deles a nossa categoria e todos foram muito receptivos”, disse Daniela Melhorança presidente do Sindjor/Sinop.

Com a aprovação do projeto por parte dos vereadores, a Prefeitura Municipal de Sinop vai realizar concurso público ainda neste semestre do ano, para preenchimento das vagas. Os cargos a serem criados são os seguintes: Administrador Hospitalar, Agente Comunitário de Saúde, Controlador Interno, Engenheiro Civil, Engenheiro Eletricista, Garçom, Jornalista, Maestro de Orquestra (Regente de Orquestra), Professor de Música, Historiador, Publicitário, Secretária Bilíngue: inglês e espanhol, Técnico em Manutenção em Informática, Técnico em Segurança do Trabalho e Turismólogo.


Outra importante vitória foi a aprovação do projeto de resolução que dispõe sobre a organização administrativa da Câmara e que reestruturou o plano de cargos e salários dos funcionários da Casa. Com o projeto o número de funcionários concursados vai subir de 17 para 60 efetivos e também houve um reenquadramento salarial dos servidores efetivos, equiparando ao salário de mercado.

Entre os novos cargos criados para provimento em concurso público encontram-se auxiliar de serviços gerais, auxiliar administrativo, garçom, jornalista, advogado, auditor interno e técnico de informática. Segundo a presidente da Câmara Sinéia Abreu, será realizado um concurso público em um prazo de 60 dias para efetivação de novos funcionários.

“O mercado de trabalho para Jornalistas em Sinop precisava desta injeção de animo, consideramos estes dois concursos uma vitória”, disse Daniel Coutinho, professor da Facenop. “Não podemos deixar de parabenizar os poderes legislativo e executivo por entrarem na luta pela valorização dos Jornalistas, afinal essa é nossa principal missão”, concluiu Daniela Melhorança.

Sindjor participa da audiência pública de revisão tarifaria de energia elétrica

O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT), participou na última sexta-feira (14.03), da audiência pública que discutiu a revisão tarifaria de energia elétrica em Mato Grosso.

Apesar da redução de 8,63% na tarifa de energia elétrica, que entrará em vigor no próximo dia 08 de abril, técnicos da UFMT contestaram os dados apresentados pela Rede Cemat e da Aneel, que levaram o governo Federal a fixar o percentual de redução para o Estado.

De acordo com o professor do departamento de energia elétrica da UFMT, Dorival Gonçalves, existe uma assimetria de informações entre a Aneel e Rede Cemat, isso prejudica a revisão tarifária que leva em consideração os ganhos de produtividade e a diminuição dos custos da concessionária de energia.

Os movimentos sociais que participaram da audiência pública criticaram a falta de transparência nas informações e a metodologia de cálculo dos custos da energia.

Em apoio às reivindicações dos movimentos sociais, que solicitaram mais transparência na composição da tarifa de energia elétrica e na revisão tarifaria, o procurador chefe da Procuradoria da República no Estado Mato Grosso, Gustavo Nogami, disse que cabe ao MPF a defesa do regime democrático e por isso vai propor a realização de uma nova audiência pública de revisão tarifária, com a intenção de ampliar a participação popular no processo de revisão da tarifa.

Além dos representantes do governo Estadual e Federal, Rede Cemat, participaram da audiência pública representantes do Movimento Sem Terra (MST), Diretório Central de Estudantes da UFMT (DCE), Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica da UFMT, o departamento de Matemática da UFMT, Sindicato dos Trabalhadores da Indústria, União Várzea-grandense de Moradores de Bairros (UNIVAB), Federação Mato-grossense de Moradores de Bairros (FEMAB), Centro Acadêmico de Direito da UFMT, Ministério Público Federal e Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (SINDJOR).

CAMPANHA SALARIAL - SINDICATO CONVOCA EMPRESAS

O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor) já convocou as empresas para a primeira rodada de negociação desta campanha salarial.

A intenção nesta primeira fase é entrar em acordo.

Os ofícios já foram encaminhados para os grupos Zaran, Gazeta, Diário de Cuiabá e Folha do Estado, juntamente com a Pauta de Reivindicações, tirada na Assembléia Geral Extraordinária, dia 16 de janeiro. A campanha deste ano foca nestes grupos, que são os maiores e balizam o mercado.

As empresas foram convocadas para o dia 25 de março.

O advogado Francisco Faid acompanha o Sindjor-MT nesta empreitada trabalhista.

Se as empresas não fizerem acordo ou não comparecerem, serão convocadas, em um segundo momento, pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT).

Se não houver acordo até a data base dos jornalistas - 1º de maio - a categoria será convocada em nova Assembléia Geral Extraordinária, para decidir pelo dissídio, ou não.

Todos os passos da campanha salarial estão sendo avaliados em reuniões ordinárias aos sábados às 14 horas, na sede do Sindicato.

Exceto neste sábado, que não haverá reunião no sábado, mas nesta quarta (19), às 19h30, extraordinariamente, devido ao feriado da Páscoa.

VEM PRA LUTA !!!

FLORES PARA ROSA LUXEMBURGO

Por Roberto Boaventura da Silva Sá

Poucas vezes a mídia enfatizou tanto a vida de alguém como fez com a de Fidel. Para muitos, um ditador cruel; para outros, um revolucionário. Aliás, os revolucionários andam em alta, ao menos na mídia. A maior rede de TV, para anunciar o canal Futura, nos lembra de Galileu, Robespierre, Joana d'Arc e Tiradentes. Claro que a lembrança não é de exaltação a nenhum ideal revolucionário; ao contrário, conforme o anúncio, vive-se, hoje, o exercício de liberdade plena que dispensa posturas sociais contundentes. Seja como for, incluo, nesse rol de humanos significativos, o nome de Rosa Luxemburgo. Se estivesse viva, faria aniversário num exato 05 de março.
Óbvio que não recordo de Rosa apenas pelo aniversário. Lembro-me, sobretudo, por conta das bolhas imobiliárias dos EUA; também pela estatização do banco inglês Northern Rock, especialista em créditos imobiliários. O 08 de março - Dia Internacional das Mulheres - também me faz lembrar Rosa. A comemoração da data nasceu sob a égide de ações revolucionárias de mulheres. Mas, afinal, o que as bolhas imobiliárias e um banco inglês têm a ver com Rosa? Direi. Antes, porém, é preciso contar quem foi essa mulher.
Rosa nasceu no sudeste da Polônia, em 1871, ano em que os franceses proclamaram a Comuna de Paris. Em 1897, adquiriu a cidadania alemã. Sua trajetória de vida sustentou-se na luta por uma sociedade justa e igualitária. Para isso foi exímia teórica, sem abandonar a organização concreta dos trabalhadores onde vivia. Opôs-se com veemência à Primeira Guerra Mundial; tanto que em 1915 foi presa por fazer propaganda contra a guerra. Durante a tragédia internacional, ficou detida a maior parte do tempo.
Ao sair da cadeia, sua liberdade não durou muito. Em 1919, durante uma greve de operários, ela foi novamente presa e executada com um tiro na cabeça. Detalhe: o social democrata Noske estivera à frente das tropas militares que combateram com milícias revolucionárias, das quais Rosa participava. Noske era um membro do grupo político de Rosa, o Partido Social-democrata Alemão (SPD). Isso foi num 15 de janeiro.
No campo acadêmico, ela combatia o cerne das teses de Bernstein, outro integrante do SPD. Para este, a revolução já não era necessária. Acreditava em reformas graduais do capitalismo, adaptando-se a ele. Uma das teses bernsteniana era o sistema de crédito. Para Rosa, isso não tinha a menor sustentação.
Com brilhantismo e pertinência, Rosa, sobre o crédito, disse o que segue: "...em vez de um meio de supressão ou atenuação das crises, o crédito, ao contrário, não é senão um meio particularmente poderoso de formação das crises. Aliás, não podia ser de outro modo. A função específica do crédito consiste, de fato - para falar de modo geral - em eliminar o resto de fixidez de todas as relações capitalistas, em introduzir por toda a parte a maior elasticidade possível, e em tornar todas as forças capitalistas extensíveis, relativas e sensíveis ao mais alto grau. É evidente que com isso ele só facilita e agrava as crises, que outra não são senão o choque periódico das forças contraditórias da economia capitalista (...). Em suma, o crédito reproduz todos os antagonismos fundamentais do mundo capitalista, acentua-os, precipita o desenvolvimento, fazendo correr o mundo capitalista para sua própria supressão, isto é, para o desmoronamento..." (In: Reforma ou Revolução. SP. Ed. Expressão Popular, 1999, p. 30-1).
Ficou claro, agora, por que me lembrei das "bolhas imobiliárias" e da estatização do banco Northern Rock, ao me recordar de Rosa? Porque, com sua leitura marxista, ela conseguiu antever o que estamos vivendo. No fragmento acima, faltou pouco a Luxemburgo usar ipsis litteris o termo da hora: "bolha imobiliária".
No mais, ela fez o papel do grande pensador revolucionário: apontou as contradições do sistema em que vivia. Ao fazer isso, chamou para si a ira dos agentes do capital, desnudados por uma mulher. Ao se perceberem nus, não lhe pouparam a vida. Por isso, hoje, é preciso oferecer flores a Rosa e aprender a pensar a sociedade atual com ela.


* Roberto Boaventura da Silva Sá
Dr. em Jornalismo/USP. Prof. da UFMT
rbventur26@yahoo.com.Br

15/03/2008

Presidente do Sindjor-MT usa tribuna livre da Câmara de Cuiabá

A presidente do Sindicato dos Jornalistas do Estado de Mato Grosso (Sindjor), Keka Werneck, usou a tribuna livre da Câmara Municipal de Cuiabá, na sessão da última quinta-feira (13), a convite da vereadora Enelinda Scalla, do Partido dos Trabalhadores. A jornalista aproveitou a oportunidade para fazer um balanço sobre as realizações da nova diretoria desde a sua posse.

Keka enfatizou a retomada da luta pela consolidação de um piso salarial –abandonada há anos. "O jornalista é um agente extremamente importante no processo de construção da democracia, mas nem por isso deixa de ter as mesmas necessidades básicas de qualquer trabalhador".

Com o estilo franco e direto que lhe é peculiar, a presidente conclamou os vereadores a colaborar na moralização do fazer jornalismo na capital, evitando práticas nefandas, tal como a utilização de matérias pagas. Dirigindo-se ao presidente da casa, Keka ainda solicitou que não fosse veiculado material publicitário em empresas que notoriamente desrespeitam seus funcionários. A sindicalista referia-se ao constante atraso salarial praticado por alguns veículos de comunicação.

Keka Werneck também falou sobre outras ações importantes do sindicato, com destaque especial para o debate "Mídia e Política – Usos e Abusos", o apoio às lutas dos movimentos sociais organizados e o lançamento do Fórum Estadual pela Democratização dos Meios de Comunicação. "Entendemos que o sindicato não pode fugir de sua responsabilidade de acabar com injustiças históricas que têm privilegiado alguns poucos e feito milhares de vítimas no nosso país", declarou a sindicalista.

14/03/2008

Redução da jornada de trabalho

Manifestação continua esta tarde

Líderes de seis centrais sindicais e representantes de sindicatos e outras organizações da sociedade civil permanecerão no período da tarde reunidos na Praça Alencastro, no Centro, onde coletam assinaturas para o abaixo-assinado em favor da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 393, que reduz de 44 para 40 horas a jornada de trabalho para todas as categorias profissionais.

O lançamento da campanha “Reduzir a jornada de trabalho é gerar empregos” aconteceu no final da manhã de hoje (14), e mobilizou milhares de trabalhadores que passavam pela praça. Muitos deixaram sua assinatura no abaixo-assinado, que será encaminhado no dia 1º de Maio ao Congresso Nacional e à Presidência da República, pedindo urgência na aprovação da PEC, de autoria dos deputados Inácio Arruda (PCdoB) e Paulo Paim (PT).

Segundo dados de 2005, o custo da mão-de-obra brasileira é 5,8 vezes menor do que a norte-americana e seis vezes menor que a francesa. A OIT (Organização Internacional do Trabalho) aponta que a jornada de trabalho no Brasil é superior a países como a Alemanha, que é de 40,3 horas; a Espanha, de 35 horas; e o Japão, onde se trabalha 42 horas por semana. “Estes dados por si só desmentem a alegação dos empresários de que a redução de jornada traria prejuízo à competitividade dos nossos produtos no mercado internacional”, aponta o panfleto distribuído pelo movimento.

Dados do Dieese ((Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos) apontam que a redução da jornada geraria em média 2.2 milhões de novos postos de trabalho. É o que apontam os sindicalistas, cujos principais argumentos são a geração de emprego e a melhoria da qualidade de vida do trabalhador, que passaria a ter mais tempo para o lazer. “Essa redução fará uma grande diferença para os trabalhadores, que terão mais tempo para a saúde, mas também ajudará os milhões de desempregados que temos no País”, explicou a coordenadora estadual da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Nara Teixeira.

Outra vantagem da redução da jornada seria a diminuição dos gastos da Previdência Social, onde o equivalente a 4% do PIB (Produto Interno Bruto) é gasto com trabalhadores vítimas de doenças ocupacionais ou acidentes de trabalho. “O trabalhador acaba se aposentando precocemente também, o que aumenta ainda mais os gastos permanentes da Previdência”, comentou o secretário de Políticas Sociais da CUT, João Luiz Dourado.

Os vigilantes em greve se reuniram ao movimento. Para o profissional do setor Cleudimar Ferreira, a redução na jornada trará melhoria na qualidade de vida. “A gente poderá descansar um pouco porque o nosso trabalho é muito puxado, e dar emprego para os outros que estão precisando”, disse ele.

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Nova Central Sindical (NCS), a Força Sindical (FS), a Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), a União Geral dos Trabalhadores (UGT) e a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) organizaram o evento, que seguirá até o final da tarde de hoje. Para o secretário de Juventude da Força Sindical, Edner Ferreira Rodrigues, com a redução haverá mais tempo para o trabalhador. “Teremos mais um dia livre para nos dedicarmos ao lazer familiar e cuidar de coisas da casa, como o pagamento de contas, por exemplo”, disse ele, que é metalúrgico, categoria que conta com cerca de quatro mil profissionais no Estado.

O presidente da Nova Central Sindical, Divino Braga, ressaltou que a mobilização na praça serve somente para marcar a data, mas que a coleta de assinaturas segue a todo vapor nos sindicatos. “Os trabalhadores estão esclarecidos, querem mais postos de trabalho. O setor do turismo, onde trabalho, por exemplo, é marcado pelo trabalho informal. Com a redução da jornada, com certeza haverá muitas efetivações”, disse ele.

Servidores públicos também compareceram à praça para se esclarecer sobre a proposta. Um deles foi Paulo Benevides, servidor do Estado. “Vim mais por causa dos meus parentes, para conhecer melhor a proposta. Tenho irmãos que vão precisar de emprego. Por isso assinei o abaixo-assinado”.

Lideranças

“O trabalhador tem que ser respeitado, ele não é escravo. Tem que ter horário para tudo, assim como para o descanso”. A opinião é do líder comunitário Carlito Cruz, que também assinou o documento. Durante toda a manhã, trabalhadores compareceram às barracas montadas pelas centrais para a coleta de assinaturas. “Estou desempregado, mas quando estava trabalhando não tinha sábado nem domingo, trabalhava direto. Se houver a redução da jornada, teremos mais descanso”, disse o operador de máquinas Roberto Santana de Oliveira.

O evento contou também com a participação do vereador Dilemário Alencar, que manifestou seu apoio ao movimento, e do presidente estadual do Partido Comunista do Brasil (PC do B), Miranda Muniz. “Esta manifestação é um marco histórico no movimento sindical, pois reuniu todas as entidades com um só objetivo. As 44 horas semanais foram instituídas pela Constituição de 1988. Depois de 20 anos, a tecnologia avançou, e hoje é possível produzir a mais bens no mesmo período de tempo, o que torna possível a redução da jornada”, disse Miranda.

Da Assessoria



SINDICATO DOS JORNALISTAS DE MATO GROSSO - Sindjor
Filiado à Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas e à CUT
Gestão 2007-2010
Rua Presidente Marques, 1532, Santa Helena-Cuiabá-MT- 78.005.000
Fone: (65) 3025-4723 – acesse: sindicatodosjornalistasmt.blogspot.com

Convite

Jornalistas em campanha salarial

"Pra tirar o atraso"

O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) convida você a participar da reunião ordinária da entidade que será realizada neste sábado (15) às 14h na sede do Sindicato. A reunião é aberta.

As pautas previstas para a reunião de amanhã são seguintes:
- Informes
- Interior;
- Andamento da Campanha Salarial;
- Sarau do Sindicato (29/03) e campanha para sede nova;
- Boletim/jornal do Sindjor
- Estágio (Seminário sobre Estágio e reunião de representantes da Fenaj)

Participe, discuta, sugira, mostre sua cara nessa nossa luta. Somos trabalhadores e merecemos respeito!

"Nosso dia vai chegar, teremos nossa vez
Não é pedir demais quero justiça
Quero trabalhar em paz
Não é muito o que lhe peço
Eu quero trabalho honesto
Em vez de escravidão..."

Legião Urbana


OBS: O Sindjor fica na rua presidente Marques, atrás do Hospital Santa Helena, próximo a TV Centro América.

Artigo - Fúria e Inteligência

Por Gibran Luis Lachowski
gibranluis@gmail.com

O rap é um importante instrumento de luta social e organização popular na Grande Cuiabá. Uma manifestação política e cultural existente há quase 20 anos na região, que envolve dezenas de militantes e milhares de adeptos.

Mano Paco, Aldo 29, Cezza, Mano Rap, Rei Rapper, Mano Careca e Vulgo Bill são alguns dos rappers que atuam em Cuiabá e Várzea Grande. Você pode não conhecê-los, mas eles fazem parte da história contemporânea destas cidades.

Suas músicas embalam idéias e ideais de muitos jovens da periferia. A dor e a fúria decorrentes das discriminações econômica e racial servem de tema para as suas letras. A energia canalizada para a organização comunitária e a solidariedade de classe, também movimentam mentes e corações dessa juventude, que é guerreira.

Mano Rap, do bairro Mappin, em Várzea Grande, dispara: "O rei da soja faz mistério pra fazer filiação/Quer se aliar com os inimigos da nação". Mano Careca, do Osmar Cabral, periferia da região Sul de Cuiabá, emenda: "O sistema, a burguesia, não tá nem aí pra nós, não/Distribui arma para você matar, enriquecer a Taurus".

Do São João Del Rei, na capital, vem Vulgo Bill dizendo que "A verdadeira malandragem é aquela de quem aprendeu a viver/O mistério da vida é a morte/e o dom da vida é viver". O grupo Atos 29, com o rap gospel, apascenta o povo: "Aí, periferia, o jogo pode até durar uma noite, mas a alegria virá pelo amanhecer/A esperança de um mundo melhor, periferia, virá com o pôr-do-sol".

Nesse repente urbano, muitos raciocínios e sentimentos da juventude de periferia ganham corpo e explicitam conflitos entre pobreza e elitismo, carência e desperdício. Não é à toa que a mídia comercial pouco dá espaço ao rap local na Grande Cuiabá. Isso também ocorre em nível nacional.

Afinal, dar atenção ao que diz o movimento rap significa, por exemplo, diminuir o poder dos meios de comunicação baseados nos índices de audiência. Erguer a voz perante a parceria da prefeitura de Cuiabá com os empresários do transporte coletivo contra a população, expressa pelo superfaturamento da tarifa e as más condições de serviço.

Pois é com sabedoria e contundência que o rap se enraíza no dia-a-dia da juventude de periferia da Grande Cuiabá, aumentando perspectivas de vida, consciência crítica e a noção de que povo unido é povo forte.

CONVITE

O jornalista Gibran Luis Lachowski apresenta hoje (14), às 14 h, defesa de dissertação intitulada "O universo rap no cotidiano do jovem pobre de Cuiabá".
A dissertação apresenta o rap como importante manifestação política e cultural da juventude de periferia de Cuiabá.
A defesa acontece na UFMT, auditório do Instituto de Educação e é aberto ao público.

I Sarau do Sindjor - JORNALISTA TAMBÉM FAZ ARTE, VENHA MOSTRAR A SUA!

O evento marcará o lançamento da campanha para a construção da sede própria do Sindjor


Já está marcado para o próximo dia 29 de março (sábado), na Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat), o 1º Sarau do Sindjor. Esta é a oportunidade para você mostrar seus dons artísticos, interagir, se divertir, fazer novas amizades, rever as antigas, bater um bom papo, enfim, uma noite para ser aproveitada ao máximo.

O Sindjor convida todas as pessoas que queiram mostrar sua arte para participarem desse nosso encontro. E se você não faz arte, venha prestigiar a arte dos seus colegas e amigos. A animação é garantida.

Nessa noite você terá espaço para mostrar sua voz, sua dança, seu artesanato, suas telas, suas fotos, seu vídeo, suas poesias, suas performances, seu dom culinário e tudo mais que a sua criatividade lhe permitir.

O I Sarau do Sindjor pretende ser uma referência de alegria, descontração e criatividade. Vamos unir tudo de bom que sabemos fazer para dividir com os amigos. Além disso, o evento marcará o lançamento da campanha para a construção da sede própria do Sindjor.

A festa terá início às 20h, porém, sem hora para acabar. O sindicato vai vender cerveja e teremos também petiscos. A entrada é franca. Venha e traga sua família e seus amigos.

* Informações pelos telefones: 3025-4723 - 9982-5871 e 9922-7497

13/03/2008

Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação será lançado dia 26

Uma comunicação de fato democrática, transparente e com responsabilidade social é o que se espera

O Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação está tomando forma. Nesta quarta-feira, representantes de quatro entidades da sociedade organizada se reuniram na sede do Conselho Regional de Psicologia (CRP) para consolidar o grupo. Na reunião foi definido que o evento de criação e lançamento do Fórum será realizado no dia 26 de março, às 09h, na sede da Associação dos Docentes da UFMT (Adufmat).

A primeira reunião foi realizada no dia 05 de março, a convite do CRP, que segue a orientação do Conselho Federal de Psicologia para a consolidação do Fórum. A partir do primeiro encontro, realizado entre o CRP e o Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor), foram convidadas outras entidades, associações e instituições a participarem dessa luta.

Na reunião de ontem, além de membros do CRP e Sindjor, estiveram presentes representantes da Adufmat e do Instituto Varzeagrandense de Educação e Faculdades Integradas (IVE). A expectativa é que na próxima reunião, marcada para o dia 18 de março (terça-feira), novas entidades passem a integrar o grupo.

De acordo com a vice-presidente do CRP, Marisa Helena Alves Batista, a Psicologia já vem a um bom tempo estudando a mídia e a subjetividade. “A classificação etária, o conteúdo, a forma como as mensagens chegam até as pessoas são de interesse da Psicologia”, ressaltou ao expor os motivos que levaram o CRP a puxar essa discussão em Mato Grosso.

A expectativa é de consolidar o Fórum para que as discussões sobre a democratização da comunicação cheguem a toda sociedade. Uma comunicação de fato democrática, transparente e com responsabilidade social é o que se espera. Nesse sentido, o Fórum também consolidará as discussões e a organização do Estado para a Conferência Nacional de Comunicação.

MARCIA RAQUEL
Da Assessoria

12/03/2008

Sindjor utiliza Tribunal Livre da Câmara de Vereadores de Cuiabá nesta quinta-feira

Nesta quinta-feira (13) o Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) vai utilizar a Tribuna Livre da Câmara Municipal de Cuiabá. O espaço, que deverá ser utilizado pela presidente Keka Werneck, já havia sido requisitado no ano passado, mas só hoje foi confirmado. A tribuna livre, marcada para as 09h, foi requerida pela vereadora Enelinda Scala (PT).

Desde que foi empossada a nova gestão do Sindjor, em 12 de setembro de 2007, a diretoria da entidade busca esse espaço público para expor à sociedade as lutas e os anseios da categoria. Pois o Sindjor entende que todos os espaços públicos devem ser ocupados e utilizados em benefício do povo.

Com isso, o Sindjor pretende expor e chamar a atenção da população e da classe política para as lutas sociais que entende ser necessário realizar para a construção de uma sociedade realmente democrática e de uma imprensa transparente e responsável.

O Sindjor entende que, apesar de ser uma entidade de classe, portanto corporativista, a sua base é composta por trabalhadores. Por isso não vai se furtar diante das lutas sociais que entenda ser justa e necessária.

A diretoria do Sindjor convida toda a categoria e a sociedade em geral para acompanhar a sessão ordinária da Câmara dos Vereadores de Cuiabá. Vamos ocupar nosso espaço nas galerias do Legislativo Municipal e nos fazer ouvir.

Sindjor e CRP trabalham para a criação do Fórum pela Democratização da Comunicação

Nesta quarta-feira (12), às 19h, será realizada a segunda reunião para a criação do Fórum Estadual pela Democratização da Comunicação. O encontro será na sede do Conselho Regional de Piscologia (CRP), na rua 40, número 123, bairro Boa Esperança, em Cuiabá. A democratização da comunicação é uma as bandeiras de luta do Sindjor.

A primeira reunião foi realizada na quarta-feira passada, depois de um convite do CRP, que segue a orientação do Conselho Federal de Piscologia, ao Sindjor. A partir do primeiro encontro, foi definido que novas entidades, associações e instituições seriam convidadas a participar dessa luta.

A expectativa é de consolidar o Fórum para que as discussões sobre a democratização da comunicação cheguem a toda sociedade. Nesse sentido, o Fórum também consolidará as discussões e a organização do Estado para a Conferência Nacional de Comunicação. A reunião é aberta. Todas as pessoas que se interessarem pelo assunto podem e devem participar e trazer sugestões. O CRP fica próximo ao Colégio Master, do Boa Esperança.

ENSAIO DO CORAL - VEM PRA LUTA FAZENDO ARTE !!!

Está marcada para hoje, às 20 horas, mais uma reunião do coral do Sindjor-MT "Na Boca do Povo". É um ensaio extra, já que o grupo se encontra aos domingos, às 17 horas.

As primeiras reuniões, como a de hoje, estão sendo na casa da regente Ana Elizabeth, porque ela tem piano. E o Sindicato ainda não possui o teclado necessário ao acompanhamento do coral.

O endereço da regente é Residencial Canachuê, número 11. Telefone: 3023-9550. Mas informações com Anderson Pinho (9957-3963) ou Aline Cubas (9976-3761).

O coral está em construção. E convida tod@s a participarem, sem precisar ter experiência em canto. A proposta é aprender, confraternizar, emocionar, mobilizar.

A princípio, estão sendo ensaiadas duas partituras (mas não precisar saber lê-las para entrar no grupo, a regente está ensinando o beabá). "Maria Maria", de Milton Nascimento, e "Canto de um Povo a um Lugar", de Caetano Veloso.

"Na Boca do Povo" espera estar aonde o próprio nome indica. E alegrar e emocionar em pontos de ônibus, hospitais, presídios, escolas, redações, eventos, diversos lugares.

VEM PRA LUTA! Fazendo arte...

Ata reunião ordinária 8 de março



SINDICATO DOS JORNALISTAS DE MATO GROSSO - Sindjor
Filiado à Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas e à CUT
Gestão “Não Abandone o Gilmar” – 2007/2010
Rua Presidente Marques, 1532, Santa Helena-Cuiabá-MT- 78.005.000
www.sindicatodosjornalistasmt.blogspot.com.br



Aos oito dias do mês de março do ano de dois mil e oito, reuniram-se na sede do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso – Sindjor-MT – para reunião ordinária da diretoria da gestão 2007/2010 os seguintes membros da diretoria: Keka Werneck (presidente), Márcia Raquel (secretária-geral), Alcione dos Anjos (Tesoureira), Éryca (comissão de Mobilização), Enock Cavalcanti (conselheiro fiscal), Laura Lucena (diretora de cultura e eventos) Gibran Lachowiski (Comissão de Ética), Ana Karla (Comissão de Mobilização), Johnny Marcus (Comissão de Qualidade de Ensino) e outros jornalistas que não compõem a diretoria do Sindjor. Definidas as pautas, a reunião se iniciou por volta das 14h40 com a Alcione passando os seguintes informes: 1 – Informou que fez o pagamento dos funcionários, porém o sindicato ainda não tem recursos para o pagamento de algumas contas, como o telefone e o contador; em função dos altos gastos com telefone celular, a diretoria decidiu que a Edinalva fará um levantamento para saber qual seria o melhor e mais econômico plano de telefonia celular para que o sindicato possa adquirir um aparelho móvel; a diretoria também decidiu implantar imediatamente um sistema de controle de ligações para telefone celular. 2 – Alcione também informou que é necessário a diretoria discutir algumas pendências com os funcionário do sindicato e ficou definido que será marcada um reunião para esta semana com a diretoria executiva e os dois funcionários. 3 – Keka iniciou os seus informes relatando que recebeu uma reclamação a respeito de um concurso que será realizado pela prefeitura de Cáceres, prevendo vagas para jornalistas, porém, com o salário abaixo do piso sugerido pelo Sindicato; também disse que tem recebido reclamações daquele município a respeito de abusos cometidos em função do período eleitoral; diante das duas observações, foi definido que Laura Lucena, durante o seu plantão no Sindjor, entrará em contato com a nossa representante em Cáceres, Elaine Tortorelli para saber como está a situação e o que pode ser feito; 4 – A presidente informou que está confirmada a reunião com o Ministério Público do Trabalho na próxima segunda-feira, às 13h, na sede do MPT; 5 – também agendou para a próxima terça-feira, às 08h, uma visita ao Ministério Público para escolher um computador, entre os que foram descartados pelo MPE, que será doado ao sindicato; 6 – Também deverá ser agenda para esta semana uma reunião com os advogados Francisco Faiad e Stábille para discutir a possibilidade de um acordo entre o sindicato e o jornalista que, durante a gestão da presidente Regina Deliberai, processou (e ganhou a causa) o sindicato por danos morais; 7 – Keka informou ainda que o coral se reúne todos os domingos às 17h, que já conta com cerca de 10 participantes, que já está ensaiando duas músicas e sua primeira apresentação será no Sarau dos Sindjor no dia 29 de março; 8 – Que voltou a receber convite para que o Sindjor participe do Intercom 2008, a ser realizado nos dias 04 a 07 de junho em Dourados-MS; 9 – E que recebeu ofício do corregedor Orlando Perri para que o Sindjor apresente provas a respeito do fato ocorrido no dia da prisão dos jornalistas, o qual o Sindjor avaliou se tratar de um excesso do juiz que pediu a prisão dos profissionais; 10 – Keka, por fim informou que está sendo criado em Cuiabá, um Fórum para discutir a tarifa da Energia Elétrica no Estado e que foi feito o convite para que o Sindjor participe; a presidente, de antemão, disse que tem interesse em participar; sobre esse assunto, Ana Karla informou que no dia 14 de março, às 09h da manhã, será realizada um audiência pública, puxada pela Aneel, para discutir justamente esse assunto; 11 – Também foi definido que a Diretoria vai tentar negociar com a Unimed e com a Unirondom um desconto maior para os sindicalizados; e que também vai tentar fazer convênios com outras universidades; 12 – Keka lançou a proposta se pensar em algum trabalho de combate à fome; 13 – Alice Mattos compareceu a reunião do Sindjor para propor uma parceria na realização de um evento voltado para jornalistas; o sindicato m princípio gostou da idéia e vai agendar uma reunião para discutir melhor a proposta; 14 – Márcia Raquel informou que o MPT está interessado em anunciar no jornal do sindicato; 15 – Também informou que ela, juntamente com Gibran, João Negrão e Johnny Marcus participaram de reunião com o Conselho Regional de Psicologia (CRP) para discutir a formação e consolidação do Fórum Estadual pela Democratização dos Meios de Comunicação; informou que na ocasião foi listada uma série de entidades e instituições que poderão fazer parte do Fórum e que uma nova reunião, já com os novos convidados será realizada na próxima quarta-feira, às 19h na sede do CRP, localizado no bairro Boa Esperança, rua 40, n.º 123; 16 – Marcos Vergueiro concordou em agendar uma reunião entre o Sindjor e a Associação dos Fotógrafos para discutirmos trabalhos e causas conjuntas. Terminados os informes demos início a primeira pauta do dia: INTERIOR – Márcia iniciou a pauta comunicando o e-mail enviado pela Beatriz Barbosa, de Barra do Garças, informando que é necessário o sindicato ter um representante em Barra, e que ela se dispõe a trabalhar pelo sindicato. Disse também que se dispõe a vir para uma próxima reunião e que, caso o sindicato entenda que possa mandar representante para um reunião em Barra do Garças, já tem garantida uma passagem de ida e volta; diante do posicionamento de Bia e das demanda do sindicato, a diretoria decidiu convida-la para vir até Cuiabá, uma vez que ela já tem uma passagem. CAMPANHA SALARIAL – Keka informou que nesta semana o sindicato encaminhará ofício as empresas Grupo Zaran, Grupo Gazeta, Grupo DC e Grupo Sávio Brandão marcando para o próximo dia 25 as reuniões com essas empresas; paralelamente a convocação será publicada no Diário Oficial; ficou definido que o boletim da campanha será em quatro páginas; que o Marcelo vai pensar a camiseta, o adesivo e a praguinha para a campanha salarial com a seguinte frase: Jornalistas em campanha salarial – Pra tirar o atraso, e com a charge do Brás; ficou definido que este material será vendido já que o sindicato não tem condições de bancar com esse custo e que está iniciando a campanha pela construção da sede nova; ficou definido que as respectivas artes serão apresentadas para aprovação da categoria na próxima reunião, dia 15 de março. SARAU DO SINDJOR – Laura Lucena iniciou a pauta informando que a Adufmat já autorizou a realização do Sarau, marcado para o dia 29 de março (sábado), na sede da entidade (a Oca da Adufmat, na UFMT); ficou definido que Marcia Raquel vai fazer o texto para o convite geral e que Laura Lucena vai ligar para os jornalistas que também fazem algum tipo de arte para convidá-los a se apresentar no Sarau; ficou definido que a divulgação será por meio de e-mails e cartazes (que o Marcelo vai criar); ficou definido que o Johnny Marcus vai se responsabilizar pelo som; que em princípio Márcia Raque e Keka vão se responsabilizar pelo bar; que precisamos providenciar um carro aberto para transportar as mesas e as bebidas; que não será cobrado ingresso; que vamos providenciar a venda de churrasquinho; ficou definido que o Sindjor vai montar uma barraca pra vender o kit campanha salarial e que os recursos arrecadados serão para cobrir o custo do material e para o fundo de mobilização; que no sarau será lançado a campanha para construção da sede nova, cujo terreno, situado no Centro Político e Administrativo, ao lado do MPE, foi doado pelo Governo do Estado. ESTÁGIO – Foi definido que na próxima quarta-feira, às 08h, Keka, Ana Karla, Johnny Marcus e quem mais da Comissão de Qualidade de Ensino puder, vão se reunir na sede do sindicato para tomar uma decisão sobre como proceder na questão do estágio até que a comissão possa dar andamento no termo de estágio com as demais universidades e empresas. REUNIÕES ANTERIORES – Foi definido que nesta ata será feito algumas observações a respeito da decisões tomadas em reuniões anteriores, uma vez que eu, Márcia Raquel, em função da demanda das últimas duas semanas, não consegui redigir as respectivas atas. São elas: foi definido que em função da nossa demanda as negociações da campanha salarial vai se restringir às quatro empresas já citadas, mas que o ganho conquistado vai balizar o mercado em geral; que a diretoria do sindicato vai agendar uma reunião com os deputados José Riva e Sérgio Ricardo, respectivamente primeiro-secretário e presidente da Assembléia, para cobrar as informações solicitadas no ano passado a respeito dos supostos jornalistas fantasmas da Assembléia; que o sindicato vai fazer uma campanha para doação de livros para montar a biblioteca do Sindjor; foi definido também que o sindicato irá organizar um próximo evento, previamente marcado para o dia 25 de abril, para dar continuidade as discussões sobre “Mídia e Política – Usos e Abusos”; que desta vez a intenção é chamar os parlamentares federais e a sociedade em geral para discutir as propostas já apresentadas e novas propostas acerca de criação uma possível legislação para regular o uso da mídia por políticos. Não tendo mais nada a tratar, a presidente Keka Werneck encerrou a reunião e eu, Márcia Raquel, lavrei a presente ata.

Márcia Raquel
Secretária Geral do Sindjor-MT

11/03/2008

FROTA VELHA

A reportagem do jornal Diário de Cuiabá vem sofrendo com a frota velha da empresa. Neste minuto (terça-feira, 11 de março, 18h20) um gol quebrou na avenida do CPA, deixando a equipe de molho, em pleno horário de fechamento. Não bastassem os salários atrasados, os carros em péssimas condições de uso colocam em risco a segurança dos trabalhadores, jornalistas, fotógrafos e motoristas também. Há dias, aconteceu o mesmo com um outro carro do DC.

NOTA DE FALECIMENTO

O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) lamenta a morte do jornalista e radialista Afrânio Borba, que na madruagada de hoje, terça-feria (11), aos 62 anos, foi encontrado morto, com um tiro na cabeça, próximo da casa dele no bairro CPA II. A Polícia não descarta a hipótese de suicídio.

Jornalista atuante, desde a década de 70, Borba esteve na luta contra a ditadura e amigos da ocasião contam que ele sofreu perseguição, devido à postura ilibada. Esteve na direção do Sindicato, fazendo também a luta trabalhista.

Nos últimos anos de vida, alcoólatra e diabético, sofria ainda com forte depressão, já afastado da profissão que era um de seus orgulhos.

Deixa três filhos e a esposa.

O Sindjor-MT informa que o velório de Borba está sendo realizado na avenida Pernambuco, 655, CPA II, na casa mortuária da Pax Nacional. O cortejo do enterro sai às 17h, até o Cemitério da Piedade. Mais informações: 3315-2727.

MORRE AFRÂNIO BORBA

24 horas news

A imprensa mato-grossense está de luto. Faleceu na madrugada desta terça-feira (110 o jornalista e radialista Afrânio Borba Moura, de 62 anos.

Afrânio foi encontrado morto em frente ao número 20 da rua Poconé, na Morada da Serra, no CPA-2 com um tiro na cabeça. Uma arma estava próxima ao corpo. A polícia não descarta a possibilidade de suicídio.

Afrânio Borba, como era mais conhecido, foi um dos expoentes do jornalismo mato-grossense em sua época. Trabalho na TV Centro América desde sua fundação, tendo ocupado diversos cargos desde repórter de rua a diretor.

Diabético, depressivo e alcóolotra, Afrânio Borba era uma pessoa muito conhecida na rua Poconé, onde morava no CPA-2. Uma vizinha disse ter ouvido um barulho de tiro por volta das 4h50 da madrugada.


O delegado Antônio Esperândio, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa esteve no local para as primeiras diligência e disse não descartar nenhuma hipótese sobre a morte do jornalista e radialista Afrânio Borba, mas não descarta a possibilidade de suicídio. A imprensa mato-grossense está de luto.

EM INSTANTES, INFORMAÇÕES SOBRE O VELÓRIO.

Ato Público em defesa da TV Brasil



A Comissão Pró-Conferência Nacional de Comunicação convida as entidades, militantes e movimentos sociais engajados na causa da democratização da comunicação para o ATO PÚBLICO EM DEFESA DA TV BRASIL. A manifestação será realizada hoje, terça-feira (11), às 15 horas (horário de Brasilia), na sala da Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal (Ala Senador Alexandre Costa, sala 7).
Além de ratificar nosso apoio à TV Brasil, é preciso denunciar com veemência as tentativas de adiamento da votação da MP 398 fazendo-a perder a validade, protagonizadas especialmente por parlamentares comprometidos com interesses contrários ao fortalecimento dos interesses populares.
Todos ao Ato Público!
Comissão Pró-Conferência Nacional de Comunicação
Leia mais em http://www.fenaj.org.br/

Fonte: Fenaj

07/03/2008

Homenagem do Sindjor a todas as mulheres bem aventuradas




O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso parabeniza todas as mulheres pelo 08 de Março.
Feliz Dia Internacional da Mulher!
A homenagem pode ser traduzida por este poema:


Sede como Maria, mãe de Jesus, Bem Aventurada


Bem aventurada a mulher que cuida do próprio perfil interior e exterior, porque a harmonia da pessoa faz mais bela a convivência humana.


Bem aventurada a mulher que, ao lado do homem, exercita a própria insubstituível responsabilidade na família, na sociedade, na história e no universo inteiro.


Bem aventurada a mulher chamada a transmitir e a guardar a vida de maneira humilde e grande.


Bem aventurada quando nela e ao redor dela acolhe faz crescer e protege a vida.


Bem aventurada a mulher que põe a inteligência, a sensibilidade e a cultura a serviço dela, onde ela venha a ser diminuída ou deturpada.


Bem aventurada a mulher que se empenha em promover um mundo mais justo e mais humano.


Bem aventurada a mulher que, em seu caminho, encontra Cristo: escuta-O, acolhe-O, segue-O, como tantas mulheres do evangelho, e se deixa iluminar por Ele na opção de vida.


Bem aventurada a mulher que, dia após dia, com pequenos gestos, com palavras e atenções que nascem do coração, traça sendas de esperança para a humanidade.



G.Quablini


SINDICATO DOS JORNALISTAS DE MATO GROSSO - Sindjor
Filiado à Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas e à CUT
Gestão 2007-2010
Rua Presidente Marques, 1532, Santa Helena-Cuiabá-MT- 78.005.000
Fone: (65) 3025-4723 – acesse: sindicatodosjornalistasmt.blogspot.com



Convite



O Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor-MT) convida você a participar da reunião ordinária da entidade que será realizada neste sábado (08) às 14h na sede do Sindicato. A reunião é aberta.

As pautas previstas para a reunião de amanhã são seguintes:
- Interior;
- Andamento da Campanha Salarial;
- Sarau do Sindicato e campanha para sede nova;
- Fórum pela Democratização da Comunicação e evento do dia 25 de abril;
- Estágio (Comissão de Qualidade de Ensino)

Participe, discuta, sugira, mostre sua cara nessa nossa luta. Somos trabalhadores e merecemos respeito!


Jornalistas em campanha salarial “Pra tirar o atraso”



“Sonhar mais um sonho impossível
Lutar quando é fácil ceder
Vencer o inimigo invencível
Negar quando a regra é vender
Sofrer a tortura implacável
Romper a incabível prisão
Voar num limite provável
Tocar o inacessível chão
É minha lei, é minha questão
Virar este mundo, cravar este chão
Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã este chão que eu deixei
Por meu leito e perdão
Por saber que valeu
Delirar e morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão”

Maria Bethânia e Chico Buarque

OBS: O Sindjor fica na rua presidente Marques, atrás do Hospital Santa Helena, próximo a TV Centro América.

Domingo tem ensaio de "Na Boca do Povo"

"Cantar é mover o dom..." Djavan

Se você ainda não está, já é hora de cair "Na Boca do Povo", o intrépido coral do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso.

Recém-criado, o coral está aberto a participação de jornalistas, estudantes de comunicação, simpatizantes e quem mais chegar.

Os ensaios ocorrem todos os domingos, das 17h às 18h30. Neste próximo domingo o ensaio será na casa da maestrina Ana (Residencial Canachuê , alameda Moreira, nº 11, telefone 3023-9550).

Qualquer dúvida, fale com Anderson Pinho (9957-3963) ou Aline Cubas (9976-3761)

06/03/2008

Editorial do Diário de Cuiabá - 06/03

Triste espetáculo

Um dos alvos do Ministério Público, em meio aos quase 500 processos de perda de mandato por infidelidade partidária em Mato Grosso, o deputado estadual Walter Rabello (PP) presta depoimento, hoje, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O parlamentar figura como um dos casos mais notórios na polêmica lista da infidelidade. Afinal, seu nome foi o alvo do primeiro requerimento protocolado pelo MPE, após o PMDB (em tese, o dono do mandato) desistir de ação judicial.

Eleito pelo PMDB em 2006, Rabello migrou para o PP em setembro de 2007. A resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que arbitrou a data de 27 de março de 2007 como prazo final para a troca de partido, obviamente, sugere que o deputado praticou uma irregularidade passível de punição, sendo a mais provável a perda do mandato.

A infidelidade partidária, no caso, é apenas uma das muitas polêmicas que envolvem o nome desse político, que, aliás, parece ter se acostumado à idéia de que, tantas sejam as irregularidades cometidas e as ações judiciais, mais o seu nome fica exposto na mídia. Rabello, em verdade, notabiliza-se muito mais pelo confronto que tenta estabelecer com a Justiça (ele não hesita em se fazer parecer dono absoluto da verdade e especialista em legislação eleitoral, ainda que sem argumentos convincentes), do que propriamente como deputado estadual.

O caso mais emblemático do seu comportamento intempestivo foi registrado na última terça-feira, ao fazer, publicamente, pouco ao caso de uma notificação do MPE sobre os abusos que pratica como apresentador de um programa de TV na Capital. Com efeito, o deputado utilizou o programa não apenas para tornar pública a ação do MPE, mas, sobretudo, para dar “lição” de legislação eleitoral e desafiar as autoridades, ao afirmar, alto e bom som, que seu programa continuará com o perfil clientelista e, por que não dizer?, eleitoreiro.

Não é de hoje que parte considerável da opinião pública condena o formato do programa do deputado Rabello que, de resto, é semelhante aos de outros parlamentares com projetos para as eleições municipais de outubro. Como ele, os demais políticos – casos dos deputados Sérgio Ricardo (PR) e Maksuês Leite (PP) – também foram notificados, porém tiveram uma atitude extremamente respeitosa para com as autoridades.

O mínimo que se pode dizer dos políticos que utilizam a mídia – em especial, a TV – como palanque eleitoral, sob o disfarce de prestação de contas ou de atendimento às demandas dos menos favorecidos pela sorte, é que são antiéticos. Além de extrapolar na função pública, o deputado Walter Rabello se revela incompetente na desesperada tentativa de exercer o jornalismo. Lamentavelmente, ele usa e abusa da TV, privilegiando a questão meramente pessoal, em detrimento dos legítimos interesses da população. A Justiça Eleitoral não pode se fazer de surda e muda ante o machismo exacerbado do parlamentar, sob pena de cair no descrédito. E o deputado, ao contrário do que pensa, não é dono da verdade. É preciso pôr um fim à baixaria!

“Políticos que usam a TV como palanque sob o disfarce de atender os menos favorecidos mostram ser antiéticos”

Ordem quer atitude legal contra abuso no direito de comunicação em MT

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso, Francisco Faiad, disse que vai reforçar ao Ministério Público Estadual para que sejam tomadas medidas contra o chamado abuso no direito de comunicação em Mato Grosso. As gestões serão feitas pelo fato de haver “um clamor de parte da sociedade” e também porque está mais que claro que há um desvirtuamento dos objetivos da comunicação. Na sexta-feira, nenhum dos apresentadores-políticos que lideram os programas populares na televisão de Mato Grosso compareceram ao debate “Mídia e Política – Usos e Abusos”, promovido pelo Sindicato dos Jornalistas.

No final do ano passado, a Ordem dos Advogados, junto com o Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral, entraram com representação junto ao Ministério Público Estadual pedindo a abertura de inquérito civil contra as emissoras, que poderia resultar na cassação da concessão por manterem programas fora das especificações estabelecidas pela Lei 7.347 de 24 de julho de 1.985.

A lei determina que todo concessionário de radiodifusão deve zelar pelo Código Brasileiro de Telecomunicação (Lei 4117/62), a norma especial atinente à concessão de emissoras de rádio e televisão. Além de prever as formas de concessão, a legislação disciplina as obrigações e sanções ao radidifusor, entre as quais o fato de que “a liberdade de radiodifusão não exclui a punição dos que praticarem abusos no seu exercício”.

Uma das situações aventadas na representação do MCCE ao MPE destaca como abuso o fato de apresentadores estarem usando do espaço para fazer escancarada campanha eleitoral extemporânea. A representação cita, nominalmente, os deputados Maksuês Leite (PP), Sérgio Ricardo (PR), atual presidente da Assembléia Legislativa; e Walter Rabello (PP). “Todos são agentes políticos com mandato e em busca de outro, nas vindouras eleições” – destacou o documento. Os apresentadores, em seus respectivos programas, “ainda promovem doação de leite e outras benesses, consultas médicas, tratamentos dentários, entre tantas outras formas de vilipendiar a dignidade humana”.

Os deputados e apresentadores de programas de TV, Sérgio Ricardo (PR), Walter Rabello (PP) e Maksuês Leite (PP), que haviam se comprometido em participar do debate Mídia e Política – Usos e Abusos, na Assembléia Legislativa, refluíram da decisão e não foram ao debate. A secretária-geral da OAB, Luciana Serafim, fez duras críticas ao que chamou de “falta de respeito” dos apresentadores: “Eles abusam da credulidade do povo” – frisou, ao destacar que os programas “são construídos em cima da miséria do povo”.

Fonte: 24 Horas News

MPE pede que deputados suspendam ações na TV que angariem votos

Site Olhar Direto - 04/03/08

Em notificação encaminhada aos deputados estaduais Walter Rabello (PP) e Sérgio Ricardo de Almeida (PR) nesta semana, -- conforme o Olhar Direto já havia antecipado --, a promotoria eleitoral pede que os parlamentares cessem imediatamente a veiculação de ações que promovam as possíveis e futuras candidaturas a prefeito, suspendam condutas que visem angariar votos antes do período permitido e abstenham-se de criticar a atuação de possíveis concorrentes em seus programas diários de TV.

De acordo com a promotoria, o não cumprimento das regras previstas na notificação pode caracterizar “abuso do poder econômico, uso indevido dos meios de comunicação social, propaganda eleitoral extemporânea, irregular, subliminar e dissimulada, além de colocar em risco a igualdade e a lisura do pleito eleitoral”.

O descumprimento também pode, consequentemente, acarretar representações judiciais e multas. Rabello e Almeida figuram entre os pré-candidatos à prefeitura de Cuiabá e apresentam os programas "Olho Vivo na Cidade" (SBT) e "Repórter da Cidade" (Band), respectivamente.

"Para a configuração da propaganda eleitoral extemporânea não é necessário que a mesma seja explícita, bastando que seja apresentada de forma sub-reptícia e veiculada por qualquer meio de comunicação, no período de pré-campanha eleitoral", diz trecho da notificação.

A promotoria argumentou que os programas apresentados pelos deputados, ao mesmo tempo em que promovem as possíveis candidaturas, "conquistam a simpatia dos telespectadores (eleitores), sobretudo dos mais carentes, com doações de diversos itens de necessidade da população desassistida". "A Justiça Eleitoral não admite o uso, por possíveis candidatos, de um trabalho de filantropia que beneficie candidaturas eleitorais", justificou.

O caso do deputado estadual Maksuês Leite (PP), pré-candidato à prefeitura de Várzea Grande e apresentador do programa "Comando Geral" (TV Rondon), está sob análise da promotoria da comarca daquele município. Rabello e Almeida não atenderam as ligações da reportagem.

Catarine Piccioni

Leia a Notificação Recomendatória

Aos. Excelentíssimos Senhores Deputados Estaduais



WALTER MACHADO RABELLO JÚNIOR
walterrabelo@al.mt.gov.br
TV CIDADE VERDE
Av. Arquimedes Pereira Lima, 1 200
Jardim Itália
3613 0012
CEP: 78068 - 858
Jornalista Responsável pelo programa Cidade 40º
Moacir Ribeiro

e

SÉRGIO RICARDO DE ALMEIDA
sergioricardo@al.mt.gov.br
TV Brasil Oeste
Fone: 4009 1908
Jornalista Responsável: Olívia Pires.
Rua Mestre Teodoro Lourenço da Costa, 25, Bairro Alvorada.
Cuiabá
CEP: 78 048- 425



NOTIFICAÇÃO RECOMENDATÓRIA


O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, através das Promotorias Eleitorais com atribuições de fiscalizar a Propaganda Eleitoral nas Eleições Municipais de 2008, no exercício de funções legais e com fundamento na Lei Orgânica Nacional do Ministério Público (Lei Federal n° 8.625/93), aplicando subsidiariamente a Lei Orgânica do Ministério Público da União (Lei Complementar n° 75/93 - especialmente a norma do art. 6°, inciso XX; vem expor e, ao final, notificar e recomendar o que seguinte:

Considerando ser função institucional do Ministério Público Eleitoral o zelo pelo efetivo respeito aos princípios, garantias, condições, direitos, deveres e vedações previstos nas Constituições Federal, bem como na legislação eleitoral;

Considerando que o Ministério Publico atua em todas as fases e instâncias do processo eleitoral, tendo a atribuição de fiscalizar filiações, registros de candidaturas, reuniões e coligações, com a legitimação para propor, perante o juízo competente, representações eleitorais, investigações eleitorais, ações penais eleitorais e ações de inelegibilidade decorrentes de atos ilícitos praticados no período eleitoral que caracterizem abuso do poder político, econômico ou administrativo, sem prejuízo de outras medidas contempladas na legislação eleitoral;

Considerando que o art.36 da Lei nº 9.504/97 prevê que a propaganda eleitoral de candidatos a cargos eletivos somente será permitida após o dia 05 de julho do ano da eleição;

Considerando que inúmeros noticiários e comentários jornalísticos, bem como entrevistas atribuídas a Vossas Excelências os colocam na condição jurídica de pré-candidatos ao cargo eletivo de Prefeito Municipal de Cuiabá nas eleições de 2008;

Considerando que Vossas Excelências apresentam diariamente programas de televisão;

Considerando a vedação legal de propaganda subliminar, dissimulada e extemporânea caracterizada pela divulgação de atos e ações sociais que comprometem a igualdade e a lisura da disputa eleitoral, que sujeita o infrator à pena de multa e à inelegibilidade;

Considerando que para a configuração da propaganda eleitoral extemporânea não é necessário que a mesma seja explícita, bastando que seja apresentada de forma sub-reptícia e veiculada por qualquer meio de comunicação, no período de pré-campanha eleitoral;


Considerando a excessiva e constante utilização de propaganda eleitoral antecipada executada por alguns pré-candidatos, passíveis de concorrer às eleições municipais de 2008;

Considerando que há questionamentos promovidos por entidades (OAB-MT e Sindicatos) e organizações sociais (ONGs Moral e MCCE) sobre os programas conduzidos pelos pré-candidatos à Prefeitura Municipal de Cuiabá (Deputados Estaduais Sérgio Ricardo e Walter Rabello), estariam utilizando programas televisivos, com audiência expressiva, nos quais atuam como apresentadores, comunicadores e animadores, capazes de induzir o eleitorado e promover, antes do período permitido pela legislação eleitoral (06 de julho de 2006), suas possíveis candidaturas para as próximas eleições, o que constitui inequívoca veiculação de propaganda eleitoral extemporânea, irregular, subliminar e dissimulada, o que pode configurar o uso indevido dos meios de comunicação social;

Considerando que os programas apresentados, ao mesmo tempo em que promovem as possíveis candidaturas, conquistam a simpatia dos telespectadores/eleitores, sobretudo os mais carentes, com doações de diversos itens de necessidade da população desassistida, o que caracteriza abuso do poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação;

Considerando ser inegável que a Justiça Eleitoral não admite o uso, por possíveis candidatos, de um trabalho de filantropia que beneficie candidaturas eleitorais;

Considerando, ainda, o fato pré- candidatos não poderem fazer uso dos respectivos programas televisivos para criticar a atuação de outros pré-candidatos, por caracterizar propaganda negativa e auferirem vantagens eleitorais entre os telespectadores/eleitores que os assistem;

Considerando que o § 6º, do artigo 39 da Lei 9.504/1997, acrescido pela Lei 11.300/2006, prevê que “é vedada na campanha eleitoral a confecção, utilização, distribuição por comitê, candidato, ou com a sua autorização, de camisetas, chaveiros, bonés, brindes, cestas básicas ou quaisquer outros bens ou materiais que possam proporcionar vantagem ao eleitor”, o que demonstra, claramente, que nem mesmo na época regular da campanha eleitoral tais condutas são permitidas, sendo, portanto, inegável a proibição de sua prática;

Considerando que os meios de comunicação não podem influenciar no convencimento dos eleitores de modo a quebrar o equilíbrio da disputa entre os candidatos ou viciarem a vontade livre e soberana dos cidadãos;


Considerando que a Doutrina e Jurisprudência, ao tratarem da propaganda eleitoral, consideram que esta pode restar caracterizada – ainda que realizada de forma dissimulada e mesmo antes da candidatura oficial – quando levem ao conhecimento geral razões que induzam a concluir que o pré-candidato seria o mais apto para o exercício do mandato (TSE –Acórdão n.º16.183- 17.02.2000), o que é capaz de caracterizar indisfarçável propaganda eleitoral antes do período legal permitido;

Considerando que, nos termos do artigo 22 da Lei Complementar n.º 64/90, no caso da prática das condutas descritas nos itens anteriores, permitem que o Ministério Público ajuíze a respectiva Investigação Judicial Eleitoral, destinada à apuração da prática do uso indevido, desvio ou abuso do poder econômico, do poder de autoridade, ou utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em benefício de candidato, cuja finalidade é aplicar multas pecuniárias a estes e aos demais responsáveis, sanção de inelegibilidade por três anos subseqüentes à eleição em que se verificou, além da cassação do registro do candidato diretamente beneficiado pela interferência do poder econômico e pelo desvio ou abuso do poder de autoridade;

POR FIM, com objetivo de prevenir condutas que violem a legalidade e a equidade do processo eleitoral, servimos-nos da presente para NOTIFICAR e RECOMENDAR aos Senhores Deputados Estaduais Walter Rabello e Sérgio Ricardo, que:
a) cessem, imediatamente, nos programas televisivos que apresentem, comentem ou participem, a veiculação de ações que possam promover possível e futura candidatura por meio de programas sociais, com o objetivo de conquistar simpatia e apoio de telespectadores/eleitores, sobretudo os mais carentes, com doações bens, móveis e imóveis, objetos e coisas de qualquer natureza, o que configura abuso do poder econômico, bem como propaganda eleitoral extemporânea, irregular, subliminar, dissimulada e o uso indevido dos meios de comunicação social;
b) suspendam, imediatamente, nos programas televisivos que comandam (de audiência expressiva), qualquer tipo de ação ou conduta capaz de induzir ou conquistar a opção de eleitores, antes do período permitido pela legislação eleitoral (06 de julho de 2006), por configurar o uso indevido dos meios de comunicação social e abuso de poder econômico;
c) abstenham-se, imediatamente, nos respectivos programas televisivos, de criticar a atuação de outros candidatos de forma direta ou indireta, por caracterizar propaganda negativa suficiente para comprometer a igualdade e a lisura do pleito eleitoral.
Por conseguinte, registramos a advertência de que o não atendimento desta recomendação, importará, com fundamento na Lei nº 9.504/97 e na Lei Complementar n.º 64/90, na promoção de Representação Eleitoral, por cada infração em tese caracterizadas, e no ajuizamento de Investigação Judicial Eleitoral, destinadas à imposição de multas, apuração abuso do poder econômico, e utilização indevida de veículos ou meios de comunicação social, em benefício de candidato, sem prejuízo de apuração de responsabilidade criminal.

Sem mais para o momento e na certeza do atendimento imediato da presente recomendação, colocando as Promotorias Eleitorais à disposição para maiores informações e esclarecimentos, cientificamos-os que a partir do seu recebimento, tais programas serão gravados.

Cuiabá-MT, 03 de Março de 2008


João Augusto Veras Gadelha
Promotor Eleitoral

Lindinalva Rodrigues Corrêa
Promotora Eleitoral

Marcos Henrique Machado
Promotor Eleitoral

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates