DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

20 de out de 2008

Repórter ou jornalista?

Martha Baptista*

Ser repórter é estado de espírito. Ser jornalista é profissão.
Muito tem se falado sobre a profissão do jornalista e volta e meia surgem projetos de lei polêmicos que jogam luzes (?) sobre o ofício que escolhi. Mas quero refletir aqui sobre os (des)caminhos dessa profissão que, como muitas, vai do céu ao inferno em poucos segundos.
O jornalista pode ter múltiplas funções - editor, redator, diagramador -, que vão ganhando novos nomes ou sendo substituídas à medida em que a tecnologia avança. Há algum tempo, li na internet que um site de notícias nos Estados Unidos chegou à conclusão que um computador faz melhor e mais rápido o trabalho de um jornalista. A notícia (deve ter sido escrita por um computador) não dava muitos detalhes sobre como a coisa funciona. Porém, por mais eficientes que sejam os computadores, por enquanto, ainda são ferramentas e nada substitui a sensibilidade e o faro de um bom repórter.
O repórter é antes de tudo um cara curioso, até chato. Detalhista, insistente, pentelho mesmo. Não pode desistir diante de um rosto fechado, uma secretária mais realista que o próprio chefe, um segurança carrancudo, um telefone que insiste em dar sinal de ocupado. Precisa ser persuasivo, obstinado, apaixonado. Pronto! Chegamos ao ponto crucial: impossível ser repórter sem gostar do que faz, sem ter vontade de fuçar aquele assunto mais e mais, de checar uma informação nova, buscar o contraponto, atiçar a polêmica.
Repórter que é repórter não teme passar do horário, não rejeita pauta e disso muito se aproveitaram (e ainda se aproveitam) os chefes de ocasião. Parece até que o chefe de reportagem tem um faro especial para adivinhar o dia daquela consulta que você levou um mês para conseguir marcar ...
Parece que isso faz parte de um passado. Dizem que a gente tem mania de só lembrar das coisas boas do passado. É a tal da nostalgia, coisa de gente que já passou dos 40. Pode ser. Mas lamentavelmente não sinto na maioria dos alunos de jornalismo de hoje a paixão pela reportagem. Percebi no convívio de dois anos com universitários que a maioria está mais preocupada em sobreviver e tem como sonho de consumo um bom emprego numa assessoria de imprensa. Como repórter/jornalista conheço bons e maus assessores e eu mesma já fui assessora. Conheço, portanto, os dois lados da moeda.
A assessoria de imprensa começou a se disseminar no Brasil na época da ditadura. Era coisa de jornalista velho e/ou acomodado, gente que tinha medo de ir para a rua e cobrir passeata de estudante, de ver o pau comendo ou preferia que tudo continuasse como estava. Meu sonho, na adolescência, era ter coragem para ser correspondente de guerra no exterior. Bobagem de quem ainda não sabia das guerras travadas por aqui mesmo. Os assessores, com louváveis exceções, estavam lá apenas para dificultar o acesso à informação. Eram mais uma barreira no caminho do entrevistado.
Com o tempo, o papel do assessor mudou. Hoje, muitos deles auxiliam o repórter a encontrar as melhores fontes, sugerem pautas interessantes (os mais competentes) e, muitas vezes, nos poupam tempo, o que é muito útil para quem tem várias matérias para fazer. Nada tenho contra o assessor ou esse nicho do mercado de trabalho. O que me incomoda é constatar que a maioria dos jovens profissionais está se consolidando como assessor sem experiência suficiente (às vezes, nenhuma) como repórter. E o pior, ele nem se dá conta disso!
Via de regra, o assessor faz uma matéria de mão única. Caso contrário, vai levar um puxão de orelha do seu assessorado. “Você está dando tiro no próprio pé”, disse-me um deles. Ninguém gosta de ser notícia graças às suas facetas menos positivas. O assessor pode até estar cheio de boa vontade, mas com o tempo vai se habituando ao discurso ufanista onde o “que poderá ser” vira manchete como coisa pronta e acabada.
Diante disso, onde fica a paixão, o tesão de reportar, contar o que viu, o que sentiu, botar vida na matéria? Que coisa mais fora de moda... Hoje em dia procura-se ir o mínimo possível pra rua, isso toma tempo, gasta dinheiro da empresa. Para que existe telefone, internet? Ctrlc, ctrlv é a nova roupagem da velha gilette press. Nada se cria, tudo se copia.
As pessoas estão deixando de ler jornal, reclamam. As pessoas não têm tempo, nem saco para ler, sobretudo matérias longas. Ok, você venceu. Mas quem vai descrever, narrar a vida cotidiana para os que vierem depois? Os escritores? Os colunistas? Os blogueiros? Talvez seja isso mesmo e esteja em curso uma revolução na comunicação de massa da qual ainda não nos demos conta. O verdadeiro repórter não está nos bancos das escolas de comunicação. Na faculdade obtém-se apenas mais um diploma, que vai garantir melhores salários quando se conseguir passar num bom concurso público. O repórter de boa cepa está em seu apartamento filmando armações de traficantes e viciados como a velhinha que, há uns dois anos, ganhou mais que 15 minutos de fama e uma senhora dor de cabeça, no Rio de Janeiro.
Ser jornalista é uma profissão nobre ou não, como qualquer outra, dependendo do uso que se faz dela, da ética de cada um. Ser repórter é estado de espírito, é pedreira, é escolher o caminho mais difícil pelo simples prazer da aventura.

* Jornalista (em atividade como repórter), radicada em Cuiabá (MT)

5 comentários:

Carlos Alberto disse...

Para sí, quem é mais jornalista.
O locutor ou apresentador de Tv, aquele que dá a cara ao público, ou o repórter??!?
Quero muito a sua opinião!
Responda em meu Blog
Obrigado

Elisatarsis disse...

Sempre fui fascinada por jornalismo e admiro muito a sua coragem,no texto você infatisou que sonhava fazer uma matéria em meio à guerra,mas a pergunta é... Qual a melhor área? colunista ou reportagem?escritório ou as ruas?
por favor responda-me. um abraço

Anônimo disse...

É sempre muito gratificante ver que o 'espírito' do jornalismo ainda está no visceral ...
Oxalá a 'água morna' sirva apenas para o chá e não para a matéria dos novos focas ...
abraço entusiasta

Andrey Lucas disse...

As duas profissões sao otimas, uma mais emocionante que a outra mais é dificil escolher uma das duas, eu preferia ser reporte se aventurar mais, viajar pelo brasil ou ate pelo mundo se fizer sucesso, mais jornalista também é bom pois podemos cobrir colunas fazer manchetes e ser também muito reconhecido.

Andrey Lucas disse...

As duas profissões sao otimas, uma mais emocionante que a outra mais é dificil escolher uma das duas, eu preferia ser reporte se aventurar mais, viajar pelo brasil ou ate pelo mundo se fizer sucesso, mais jornalista também é bom pois podemos cobrir colunas fazer manchetes e ser também muito reconhecido.