DESTAQUE

NOVO PISO: Jornalistas e patrões firmam acordo coletivo de 2017

Da assessoria Após seis rodadas de negociação, mediadas pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso, o Sindic...

30 de jun de 2008

Jornais e jornalistas sem futuro

Por Antônio de Souza

Um dos assuntos mais instigantes, em discussão não só no Brasil, mas no resto do mundo, é o futuro do jornal impresso. De fato, os próprios jornais têm-se transformado numa espécie de tribuna para esse tipo de debate. Tem gente que aposta numa saída, mas há também aqueles que não dão um centavo furado pelo futuro da mídia impressa.

Recorro a um dos mais influentes jornais do Brasil, a “Folha de S. Paulo”, cujo slogan é “o maior jornal do Hemisfério Sul”, para abordar essa interessante questão. Em recente edição do caderno dominical “Mais”, por exemplo, Eric Alterman, colunista da revista “The Nation” e professor na Universidade da Cidade de Nova York, publicou um alentado artigo sobre o assunto. E uma das observações interessantes é esta: “(...) No Brasil, onde a televisão ainda reina quase absoluta como em nenhum outro lugar do globo, a fatia dos jornais no bolo publicitário engordou. Foi de 19,4%, em março último. A Internet ficou com apenas 3,2%. Só no primeiro trimestre deste ano, a publicidade em jornais brasileiros aumentou 24% (...)”.

Detalhe interessante: com as suas infinitas possibilidades de informação e interação, a internet sempre aparece no topo da lista de “rivais” dos meios impressos, tachados de lerdos e opacos. Mas, segundo Alterman, os jornais, sempre preocupados com a adesão avassaladora dos jovens à rede de computadores, “perseguem a renovação e discutem sua função nesse momento e seu espaço como negócio”. E cita um dado de certa forma alentador: a venda de jornais continua a crescer no mundo (2,6% em 2007), muito impulsionada por países como China e Índia – e no Brasil, que registra uma alta de 11,8%.

Vale, a propósito, um pouco de história, pela ótica do jornalista norte-americano: “(...) A invenção de Gutenberg foi fruto da ascensão da burguesia, que começava a disputar a liderança do processo histórico com a aristocracia. Em sua trajetória, a imprensa pavimentou a incorporação das massas ao papel de protagonista, sempre em compasso com as disputas pelo poder. Se na Inglaterra e na França a liberdade de expressão foi, por muito tempo, contida pelas forças do antigo regime, nos Estados Unidos a independência colocou a livre manifestação como dado constitutivo do país e possibilitou a criação de periódicos sem as amarras reais”.

No Brasil, lembra o jornalista, a Imprensa Régia – que aportou no Rio de Janeiro com a fuga da corte portuguesa de Napoleão – estabeleceu em seus primeiros atos "fiscalizar que nada se imprimisse contra a religião, o Governo e os bons costumes". Não foi à toa, portanto, que o primeiro jornal brasileiro – o Correio Braziliense – nasceu em Londres, há 200 anos, fato comemorado em abril passado. De lá para cá, o jornalismo nacional marcou sua presença na história, destacando-se nos momentos de polarização, como nas campanhas pela abolição da escravatura, pela República, pela democracia, pelas eleições diretas. Enfrentou períodos sombrios de censura e sufocamento econômico. Como no resto do mundo, acompanhou a chegada das novas mídias que disputam o tempo e o bolso do cidadão.

Curiosamente, aqui em Mato Grosso, é raro encontrar alguém do meio que revele algum interesse, por menor que seja, em discutir o futuro do jornal impresso. Senti isso na pele, ao tentar debater o assunto, em recente encontro com colegas de profissão. Faz sentido o desinteresse, pois as preocupações do profissional desse tipo de mídia estão voltadas muito mais para o seu próprio futuro, sobretudo, diante das condições extremamente precárias em que labutam no cotidiano, na maioria das empresas do setor, especialmente em Cuiabá.

Com efeito, deu para sentir, por exemplo, que, se a Fiscalização do Ministério do Trabalho fosse mais atuante e eficiente, há muito tempo, teria flagrado situações estarrecedoras em alguns jornais da Capital. São irregularidades que vão da falta de estrutura básica – da mais comuns necessidades, como telefones e outros equipamentos nas redações -, insegurança, aos seculares atrasos no pagamento de salários. Chega a ser uma tragédia: repórteres e editores sem receber de três a quatro meses, enquanto servidores menos graduados, mas de relevante importância no trabalho de equipe, como motoristas, não vêem a cor do dinheiro há exatos oito meses.

Há, entretanto, um contraste enorme nesse quadro: enquanto dezenas (ou centenas) de profissionais trabalham sem receber o necessário e justo pagamento, diretores de empresas esnobam, ao exibirem sinais exteriores de riqueza, como atestam veículos de luxo importados, viagens internacionais e outras mordomias que custam caro. As colunas sociais - muitas vezes, dos próprios jornais onde o trabalho escravo é uma marca registrada – costumam registrar, acintosamente, esses shows de ostentação.

Temendo perder o emprego, muitos profissionais aceitam passivamente essa exploração e sequer denunciam a quem de direito. E assim caminha a desonestidade... Eis aí um caso para o Sindicato dos Jornalistas abraçar, buscando o apoio de outras entidades, como o Ministério Público Estadual.

A propósito, a credibilidade e a independência de alguns jornais impressos em Cuiabá sempre foram colocadas em dúvida, em função da promiscuidade das relações que seus dirigentes costumam ter com os poderosos de plantão. O oficialismo e o adesismo na cobertura de alguns fatos só favorecem ao enriquecimento dos grupos que controlam as empresas. As maiores vítimas são a verdade e os funcionários explorados, que trabalham sem receber.

Dá mesmo para falar em futuro diante desse quadro?

Antônio de Souza é jornalista em Cuiabá

4 comentários:

movimento mandato popular disse...

Antônio de Souza é jornalista antigo e conhece de perto a censura e o assédio moral de patõres contra jornalistas nas redações. Aproxime-se do Sindjor, Antônio. Vamos fazer uma discussão sobre o futuro do jornal impresso e dos jornalistas. Que tal com estudantes da UFMT e do IVE? Té.

Keka Werneck disse...

Acho que querem abafar a verdadeira função dos jornais, querem que se prestem apenas ao capital, ao controle social que a elite exerce no liberalismo, querem abafar o tanto que é bom fazer jornalismo e o tanto que isso é necessário. Apesar disso, acredito que há futuro diferente desse, posto hoje, com anuência dos jornalistas que precisam resgatar do íntimo um traço que a categoria deveria ter, e tem embora esteja bastante adormecido: a indignação. É APRENDER A DIZER NÃO. ISSO NÃO FAÇO!

Anônimo disse...

O futuro do jornal está na educação. A meta central de todo jornalista, todos os dias, deveria ser para se criar, em condições dignas, jornais, ainda que pequenos por todo canto deste Estado. Um segundo passo seria aumentar, em círculos de leituras com publicações socializadas, o número de leitores, no trabalho, nas escolas, entre amigos. Assim teremos futuro certo. Antônio, sempre defendi essas duas teses sobre o futuro da mídia impressa.

Para isso me disponho a participar

Em tempo: vai demorar pelo menos 100 anos para o jornal impresso sumir; se mesmo sumir...


Jonas da Silva

Anônimo disse...

PRECISO DA AJUDA DE VOCES. TENHO FARTAS E ROBUSTAS PROVAS. HOJE ME AMEAÇAM COM FALSAS ACUSAÇÕES. QUEREM CALAR A VOZ QUE DENUNCIA OS DESMANDOS
NOBRE AMIGO :

O CNJ IGNORA O QUE PASSA NA JUSTIÇA. ENTÃO É DE SE PERGUNTAR, ESTARIA O CNJ CUMPRINDO O SEU PAPEL, OU APENAS VIVENDO DE APARENCIAS E A CORRUPÇÃO CONTINUA CADA VEZ MAIS PROFUNDA?




AJUDE A DIVULGAR

É BOM CONHECER UM POUCO DA JUSTIÇA:
É BOM VERIFICAR AS DENUNCIAS DO DR. ABBOUDLAHDO NO YOU TUBE SOBRE A JUSTIÇA NO BRASIL


http://youtu.be/2iiYgdZOipw

http://youtu.be/GbNAtPRd5Qk

http://youtu.be/nOKbfFFg23M


estes são alguns vídeos que fez sobre invasão de terras no ms pelo poder judiciario
SOU JORNALISTA FOTOGRAFICO E TAMBÉM DIRIGI O FILME DE LONGA METRAGEM INTITULADO PARALELOS TRAGICOS